Facebook, depressão e inveja

11050302_10153150971059749_1238859290743339607_n

Até que ponto o uso de redes sociais pode atrapalhar a adoração a Deus?

Naquele dia entrei em uma igreja para a programação especial. Do meu lado um homem com a cabeça abaixada não tirava os seus olhos da tela do celular. Olhando para o lado vi que ele olhava para publicações no Facebook.

Deixei de lado a ele e olhando para frente, exatamente na linha dos meus olhos uma adolescente também fazia a mesma coisa. Seus olhos e sua atenção estavam bem longe dali. Não há mais dúvidas, navegar

no Facebook se tornou uma atividade diária de centenas de milhões de pessoas ao redor do mundo. Alguns não conseguem sequer passar um dia sem dar uma passadinha por lá.

Devido ao forte impacto que o Facebook está causando às pessoas, pesquisadores começam a se interessar em descobrir o quanto estão envolvidos emocionalmente os usuários do Facebook.

Estudantes de jornalismo da Universidade de Missouri, nos EUA, fizeram um levantamento com mais de 700 estudantes universitários e descobriram que o uso do Facebook pode levar a sintomas de depressão na medida em que a rede social desencadeia sentimentos de inveja entre seus usuários.

Sem dúvida, o Facebook é uma atividade divertida e saudável enquanto os usuários aproveitam o site para ficar conectados com a família, com velhos amigos e partilhar coisas interessantes e importantes de suas vidas.

Por outro lado, se o Facebook é usado para ver o quão bem financeiramente um conhecido está, ou quão feliz um velho amigo está em seu relacionamento ou ainda quantos quilos alguém perdeu, isso podem causar inveja e assim o uso do site pode levar a sentimentos de depressão, constata a pesquisa.

O mesmo estudo descobriu que se os usuários do Facebook sentem inveja das atividades ou estilo de vida de seus amigos na rede social, pois eles são muito mais propensos a relatar sentimentos de desânimo. Mas não se iluda. É de se esperar que muitos usuários postem somente coisas positivas sobre si mesmos, criando uma personagem que está bem distante da realidade. É essa consciência que pode diminuir os sentimentos de inveja e evitar a depressão.

Na Bíblia encontramos diversos textos que falam contra esse sentimento terrível. Salomão disse, em Provérbios 27:4, que “o ódio é cruel e destruidor, mas a inveja é pior ainda.” Foi a inveja que motivou a prisão de Jesus: “Pilatos sabia muito bem que os líderes judeus haviam entregado Jesus porque tinha inveja dele” (Mateus 27:18).

Eu não estou contra o uso de qualquer mídia social, mas acho que deve ser usada com moderação. Quando entrar em uma dessas redes, entre com um tempo estabelecido. Se uma ponta de inveja começar a aparecer em seu coração, feche a página imediatamente. Ou caso apareça a vontade de sair criticando alguém, pare o que estava fazendo, avalie o seu próprio coração e vá fazer uma caminhada.

Não permita que essas ferramentas que aproximam pessoas influenciem em sua espiritualidade afastando você de Deus. O conselho bíblico recomenda: “Crede no Senhor vosso Deus e estareis seguros…” (2 Crônicas 20:20).

Fonte: http://noticias.adventistas.org/pt/coluna/rafael-rossi/facebook-depressao-e-inveja/

Anúncios

Especialistas discutem tecnologias para levar a Bíblia a lugares distantes

Ideias arrojadas estão sendo apresentadas no evento que termina nesse domingo nos EUA

Silver Spring, EUA … [ASN] “A compreensão precede a ação”. A frase do CEO da companhia de café Starbucks, Howard Schultz, foi usada por Jerry Chase para definir a importância do conhecimento geográfico para obter sucesso, seja numa empresa ou numa congregação local.

A palestra de Chase, que é pastor no estado americano de Ohio, foi transmitida no segundo dia doGAIN (Global Adventist Internet Network), principal fórum de internet, tecnologia e evangelismo da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Pela primeira vez o evento, realizado em parceria com as 13 regiões mundiais da denominação, é online.

A primeira experiência do Gain online foi de 3860 visitantes de 106 nações, com um total de 8816 views. O Brasil foi o país que mais acessou. As cinco primeiras nações foram: Brasil (2748), EUA (1191), México (355), Peru (128) e Argentina (119).

Chase usou o exemplo da Starbucks no uso efetivo do software GIS (Sistema de Informação Geográfico) para abrir lojas em locais estratégicos. A ação foi fundamental para revitalizar a empresa, inclusive na utilização de informações climáticas. Em dias de frio e chuva, houve maior oferecimento de bebidas quentes e, nos dias de maior calor, de bebidas frias. Atitudes que fizeram a diferença.

Chase disse que o GIS pode similarmente ajudar a Igreja a entender como e onde vivem seus fieis e definir áreas carentes de presença adventista. O conceito é simples, mas a utilização de ferramentas que mapeiem o território que se quer alcançar para levar os ensinos de Cristo ou ofereça dados daqueles em que já há presença adventista, pode ser fundamental.

Chase contou que a Igreja Adventista do Sétimo tem usado o GIS em diversas ocasiões. Mencionou, por exemplo, o ministério Adventist Frontier Mission, que usou o programa para localizar regiões não alcançadas na Tailândia. O resultado foi o estabelecimento de uma congregação adventista no norte de Khmer e de uma rádio adventista.

Após a apresentação, o momento de discussão trouxe ideias como o uso do programa Excel (Microsoft) para mapear uma congregação local, para que, conectadas, as pessoas ajudem a tomar decisões.

Ação prática nas igrejas

Segundo os apresentadores, conhecendo melhor as características geográficas e outros dados relevantes, os anciãos (líderes leigos que ajudam a dirigir as congregações locais adventistas) podem ver onde moram os membros. A partir daí, têm melhores condições de tomar decisões para unir as pessoas e conseguir ótimos resultados.

Os dados coletados podem incluir características de envolvimento com a missão ou não, qualidades e habilidades. O teólogo citou que os dados mostram coisas até então invisíveis, como regiões onde há muitos ou poucos pastores, adventistas ou não, proximidade de moradia dos fiéis e muito mais. O mapa leva a mais perguntas e questões, fazendo as pessoas refletirem mais.

O projeto Josué foi usado como exemplo. Por meio de satélite, necessidades especiais de oração são detectadas.

De acordo com Chase, “tem havido uma crescente coalizão de líderes adventistas das áreas de tecnologia, missão global e comunicação trabalhando na direção de conectar dados para auxiliar na tomada de importantes decisões”.

Um participante da conferência na Venezuela disse já ter usado o GIS para mapear estratégias locais para reuniões de pequenos grupos.

Participantes de mais de 60 países estão enviando questões para as discussões ao vivo através de Twitter e Facebook, usando a hashtag #GAiN15.

Como construir um App?

Outra palestra do dia foi sobre como construir um aplicativo (programa) para celular. Harvey Alférez, professor na Escola de Engenharia e Tecnologia na Universidade de Montemorelos, no Mexico, ministrou a aula.

Alférez relembrou que, como adventistas, temos uma missão bem definida: “proclamar as três mensagens angélicas”. E a tecnologia, ressaltou, “existe para isso, alcançar pessoas”. No mundo de mais de 7 bilhões de pessoas, 6 bilhões têm acesso a celulares.

Ao explicar o processo de construção de um aplicativo, destacou que deve haver uma boa, atrativa e interessante ideia. Quando os participantes perguntaram o que vem primeiro: “o site ou o aplicativo?”, os panelistas ressaltaram que, dependendo do conteúdo, a website vem primeiro e ajuda a criar o tipo ideal de aplicativo.

Há que se definir qual o diferencial, propor soluções, criar tela funcional e boa navegabilidade.

Para concluir, Alférez propôs colocar a ideia no papel, concretizar a ação e ficar de olho na reação das pessoas, para sempre melhorar o projeto. Um aplicativo pode ser utilizado para evangelizar e ajudar uma igreja local em suas necessidades.

GAIN termina nesse domingo

O evento online, que começou na quarta-feira (11), vai até hoje (15). A primeira palestra foi da chefe do escritório de informação da sede mundial da Igreja Adventista, Nancy Lamoreaux. Ela falou sobre a ordem de Cristo, de “ir e fazer discípulos de todas as nações”, no contexto do uso das novas tecnologias para espalhar as boas novas.

Para o gerente de estratégias digitais da web da Igreja Adventista na América do Sul, Rogério Ferraz, “o evento é uma grande oportunidade de promover a unidade no âmbito de comunicação e tecnologia, e também de motivar fiéis no uso de técnicas inovadoras para salvar pessoas”. Para Ferraz, o GAIN mostra que todos têm lugar na pregação online.

Capacitação online

Além da transmissão desta sexta, o evento ainda vai tratar de engajamento interativo, orçamento e cryptocurrency (ou moeda crypto).

Nesse sábado, 14, foi veiculado um culto com pregação do diretor mundial de comunicação da Igreja Adventista do Sétimo Dia, pastor Williams Costa Júnior. O título do sermão foi  Tecnologia e Revelação.

O líder demonstrou imensa alegria pela participação de internautas de mais de 60 nações, como Israel, México, Romênia, França, Equador, Angola, Cuba, Coreia do Sul, Paraguai, Argentina e Brasil. “É maravilhoso que daqui podemos capacitar e motivar pessoas de várias partes do planeta”, comemorou Costa Júnior.

Uma equipe de mais de 30 pessoas está trabalhando na décima primeira edição do GAIN, realizada na sede mundial da Igreja Adventista do Sétimo Dia, em Silver Spring.

O evento é transmitido em quatro idiomas: inglês, português, espanhol e francês, e em três diferentes horários. No Brasil, às 9 horas, 15 horas e 22 horas.

Links:

Português:  http://gain.adventist.org/2015/live.pt.html

Espanhol:  http://gain.adventist.org/2015/live.es.html

Inglês:  http://gain.adventist.org/2015/live.en.html

Francês:  http://gain.adventist.org/2015/live.fr.html

[Equipe ASN, Márcio Basso com informações da ANN]

Fonte: http://noticias.adventistas.org