O “cair no espírito” do demônio

Introdução

A irmã batista Eliane Faria, telespectadora do programa “Na Mira da Verdade”, enviou-me um questionamento que creio ser a dúvida de muitos internautas. Ela pediu auxílio para compreender 1 Samuel 19:20-24, texto que apresenta Saul em transe profético e que supostamente apoia o “cair no Espírito” nos cultos públicos. Leiamos os versículos na Nova Versão Internacional:

“Então Saul enviou alguns homens para capturá-lo. Todavia, quando viram um grupo de profetas profetizando, dirigidos por Samuel, o Espírito de Deus apoderou-se dos mensageiros de Saul, e eles também entraram em transe. Contaram isso a Saul, e ele enviou mais mensageiros, e estes também entraram em transe. Depois mandou um terceiro grupo e eles também entraram em transe. Finalmente, ele mesmo foi para Ramá. Chegando à grande cisterna do lugar chamado Seco, perguntou onde estavam Samuel e Davi. E lhe responderam: “Em Naiote de Ramá” Então Saul foi para lá. Entretanto, o Espírito de Deus apoderou-se dele, e ele foi andando pelo caminho em transe, até chegar a Naiote. Despindo-se de suas roupas, também profetizou na presença de Samuel, e, despido, ficou deitado todo aquele dia e toda aquela noite. Por isso, o povo diz: “Está Saul também entre os profetas?” (1Sm 19:20-24)

Alguns irmãos tentam justificar o “cair no Espírito” com essa experiência de Saul. Todavia, o contexto do evento e outros textos bíblicos paralelos nos provam que o “cair no Espírito” não é um fenômeno de origem divina e, portanto, deve ser abandonado, antes que a vida espiritual do cristão seja ainda mais comprometida.

A seguir, veja algumas das razões para duvidarmos que 1 Samuel 19:20-24 esteja dando apoio ao “cair” sobre a influência do Espírito Santo.

 

Provas de que o Espírito Santo não joga as pessoas no chão

1º: O contexto nos mostra que Saul não estava participando de nenhum culto de adoração, mas, sendo impressionado por Deus para mudar de vida.

Saul queria matar Davi por causa da inveja e por receio de perder o seu “cargo” de rei (1Sm 19:1-17). O então rei de Israel estava indo longe demais e, através da capacidade de profetizar (dada também aos mensageiros que ele enviou – 1Sm 19:20, 21), “recebeu uma evidência clara de que Deus estava protegendo Davi”. É bem provável que “[…] ali o Espírito Santo tenha insistido com Saul pessoalmente pela última vez” (Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 2. Tatuí, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 2012, p. 589. Ver 1Sm 19:24).

O referido comentário também explica que “é possível que tenha saído de seus lábios [de Saul, enquanto profetizava sob a influência do Espírito] não só uma confissão da justiça da causa de Davi, mas também a condenação de seus atos […]”.

2º: Ao Espírito Santo apoderar-se de Saul, ele prosseguiu caminhando até chegar a Ramá (cidade localizada na região montanhosa de Efraim, a cerca de 8km de Jerusalém), onde estavam os demais mensageiros que também profetizavam (1Sm 19:23). Essa capacidade de caminhar e chegar a um local específico nos mostra que, apesar de Saul estar em “transe”, detinha capacidade autônoma, de modo que a presença do Espírito não tirou a individualidade do rei.

3º: O verso 24 do capítulo 19 diz apenas que ele “ficou deitado todo aquele dia e toda aquela noite” e não dá a entender que, para isso, ele tenha “sido jogado no chão” ou tido atitudes excêntricas, do mesmo modo que vários irmãos que alegam estar sobre a influência do Espírito sobre tais circunstâncias.

4º: O Novo Testamento, que mostra a atuação do Espírito de maneira ainda mais clara, nos ensina que a Terceira Pessoa da Trindade não gosta das manifestações pentecostais pós-modernas que envolvem (muitas delas) gritos, barulho, desordem e ações excêntricas. Veja:

a) Efésios 4:30, 31 afirma que o Espírito é entristecido com a gritaria;

b) 1 Coríntios 14:33 ensina que “Deus não é Deus de desordem, mas de paz. Como em todas as congregações dos santos”, ou seja: até mesmo nas igrejas pentecostais Ele quer ser um Deus de ordem e de paz.

c) 1 Coríntios 14:40 mostra que o culto que agrada ao Senhor “deve ser feito com decência e ordem”.

d) Gálatas 5:22, 23 deixa claro que, no momento em que uma pessoa é tomada pelo Espírito, ela revela em sua vida nove qualidades de caráter, entre elas: paz (v. 22), mansidão e domínio próprio(v. 23).

Essas características do caráter do Espírito Santo nos impedem de aceitar que as manifestações em muitos (não todos!) meios pentecostais sejam realmente de origem divina. Se em um culto, mesmo que o nome de Deus seja pronunciado (Conferir Mateus 7:21-23), as pessoas manifestam atitudes e comportamentos diferentes daqueles que o Espírito divino possui, conforme vimos nos textos acima, isso é suficiente para provar-nos que “outro espírito” é quem está por trás de tais fenômenos.

5º: Marcos 9:17 e 18 diz que o espírito que faz as pessoas caírem é o espírito do demônio. Veja que texto forte e, ao mesmo tempo, esclarecedor:

“Um homem, no meio da multidão, respondeu: ‘Mestre, eu te trouxe o meu filho, que está com um espíritoque o impede de falar. Onde quer que o apanhe, joga-o no chão. Ele espuma pela boca, range os dentes e fica rígido. Pedi aos teus discípulos que expulsassem o espírito, mas eles não conseguiram’’

“Mas o fruto do Espírito é… mansidão e domínio próprio” (Gl 5:22, 23)

O Espírito Santo sempre quer erguer o crente e nunca jogá-lo no chão. Veja que, ao Cristo expulsar o demônio do menino (leia Marcos 9:14-29), o Salvador “tomou-o pela mão e o levantou, e ele ficou em pé”(v. 27).

Portanto, não há dúvidas: o “cair no Espírito”, mesmo fazendo parte da vida de muitos cristãos sinceros e verdadeiros filhos de Deus, é uma manifestação demoníaca, com o objetivo de confundir as pessoas e apresentá-las uma imagem distorcida do divino e manso Espírito Santo.

 

O inimigo conhece o grande potencial dos irmãos pentecostais

O inimigo de Deus sabe que muitos amigos pentecostais são candidatos à vida eterna e salvos em Cristo. Tem ciência do quanto o Espírito Santo os usa para relembrar aos demais cristãos sobre a importância dos dons espirituais para a edificação da igreja e conclusão da obra de evangelização mundial.

Por isso, através de manifestações sobrenaturais que dão uma sensação aparentemente agradável aos que são possuídos por tal espírito, o Diabo quer impedi-los de terem uma experiência verdadeira com o Espírito. O inimigo, através de tal contrafação do Espírito, quer impedir que os irmãos aprendam a apreciar um culto tranquilo, racional (Rm 12:1, 2) e que tenha a emoção na medida certa (Fp 4:4), do jeito certo (1Co 14:33, 40).

Muito cuidado, irmãos. Uma das principais obras satânicas nesses últimos dias é contrafazer a obra do Espírito Santo. Ele sabe que o Espírito é o “outro consolador” divino (Jo 14:16), que glorifica a Jesus Cristo e o plano de salvação (Jo 16:14), nos convence “do pecado, da justiça e do juízo” (Jo 16:8), guia-nos a “toda a verdade” (Jo 16:13) e santifica a nossa vida (Rm 6:23). O Diabo sabe que nesse processo de santificação o Espírito nos torna parecidos com Jesus através do novo nascimento (Jo 3:1-8) e “escreve” os princípios morais da Lei de Deus em nosso coração (Hb 8:10).

Por isso, não é do interesse do demônio que as pessoas tenham um conhecimento pleno (e correto) da Pessoa e da Obra do Espírito Santo. Afinal, através de um falso espírito santo, ele pode desencaminhar muitos e levá-los a seguir pelo caminho largo, que leva à perdição (Mt 7:13, 14).

O inimigo não vai atrás de quem já é dele. Por isso, meu irmão pentecostal, se você “cai no espírito”, peça a Deus discernimento e coloque a Revelação bíblica acima dos seus sentimentos. Leia esse artigo com oração e mente disposta (Jr 15:16) a conhecer cada vez mais esse Deus que tanto lhe ama (Jr 31:3). Submeta-se a Ele (Tg 4:7) e preste-Lhe um culto alegre (Fp 4:4) e racional ao mesmo tempo (Rm 12:1, 2), para que sua mente receba todas as verdades que o Espírito Santo quer lhe comunicar para sua felicidade presente e eterna:

“Quer você se volte para a direita quer para a esquerda, uma voz atrás de você lhe dirá: ‘Este é o caminho; siga-o’” (Is 30:21).

Um abraço do amigo e irmão em Cristo,

 

Leandro Quadros

[www.leandroquadros.com.br]

Anúncios

É Para Comer de Tudo do Açougue?

cara-porco Por que Paulo escreveu aos coríntios: “Comei de tudo quanto se vende no açougue, sem perguntar nada, por causa da consciência”? (I Coríntios 10:25).

“O VERSICULO 28 e bem assim todo o contexto, desde o verso 14 e também todo o capítulo 8, esclarecem que o assunto trata exclusiva mente de carnes oferecidas aos ídolos. Não se fala aqui das espécies de carnes, mas sim das que haviam sido oferecidas aos ídolos antes de irem para o açougue. Todavia, nem sempre a carne era previamente sacrificada. Isso, o presente texto nos dá a entender com bastante clareza, pois diz Paulo: ‘Sem nada perguntardes por escrúpulos de consciência’ (Versão do P. Rohden).

Se toda carne fosse sempre oferecida aos deuses antes de ir para o mercado, ninguém precisava ter dúvidas; mas como o não era, e mesmo porque não havia importância em saber, o crente não tinha necessidade de perguntar coisa alguma.

Paulo não diz aqui que não deviam perguntas para saber de que espécie era a carne, se deste ou daquele animal, porque isto, naturalmente, não estava em questão. [Eles] Não tinham razão para perguntar, a não ser que fossem advertidos por alguém.

“Demais, não precisavam manter esses escrúpulos, porque, ‘quanto ao comer das coisas sacrificadas aos ídolos’, disse Paulo, ‘sabemos que o ídolo nada é no mundo, e que não há outro Deus, senão um só’, Cap. 8:4.

Ninguém precisava preocupar-se com isto porque os ídolos, nada sendo senão matéria inanimada, também não podiam influir na carne. E além disto, antes de comê-la, se pedia sobre ela a bênção de Deus. Verso 30; 1 Tim. 4:5.

Mas, se alguém tinha dúvidas, a advertência era: ‘Aquele que tem dúvidas, se come está condenado’(Rom. 14:23). Também, se alguém advertia ao crente, dizendo-lhe que aquela carne havia sido sacrificada aos ídolos, então ele, por amor à consciência daquele que o advertia, não devia comer.

“Compreende-se claramente que Paulo, em todos esses versículos, põe em relevo o mal de comer para escândalo dos fracos. E sobre isto, diz: ‘Pecando assim contra os irmãos, e ferindo a sua fraca consciência, pecais contra Cristo’. ‘Portanto, quer comais, quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus’ (I Cor. 8:12; 10:31).

“Não que houvesse mal em usar das carnes sacrificadas aos ídolos, quer adquirindo-as nos açougues, quer comendo-as na casa de algum gentio, porque os ídolos nada são; o que se condenava era o errôneo procedimento de alguns crentes, que ainda costumavam ir aos templos pagãos e ali banquetear-se, em suas mesas, com os sacrifícios feitos em honra aos deuses.” — Pontos Difíceis de Entender, pp. 13 e 14.

– Extraído do livro “Consultoria Doutrinária”.

Fonte: http://setimodia.wordpress.com/2012/04/30/e-para-comer-de-tudo-do-acougue/

Homem morto caminhando

Portanto, agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus. Romanos 8:1

30-jesus-e-simao-o-cirineu Nos estados norte-americanos em que a pena de morte ainda está em vigor, uma expressão de arrepiar é bem conhecida: “Homem morto caminhando!”

O condenado à pena de morte, geralmente do sexo masculino, esgotou todos os recursos possíveis junto à justiça. Provavelmente tenha permanecido no corredor da morte por muitos anos aguardando a continuidade do lento processo judicial, enquanto os advogados argumentaram e tentaram de tudo para encontrar um modo de poupar sua vida. Quem sabe, como última tentativa, tenham apelado ao governador por clemência, mas o pedido tenha sido negado. Não resta mais nenhuma esperança. O fim chegou. Acabou!
O prisioneiro faz sua última refeição. Encontra-se com o capelão pela última vez. Envia sua última mensagem. Dá seu último adeus. Então, é conduzido de sua cela até o local de execução. À medida que caminha para a morte, ouve-se: “Homem morto caminhando!”

Somos homens mortos caminhando. Não, não somos assassinos, estupradores ou sequestradores aguardando no corredor da morte a chegada do terrível dia, mas estamos condenados perante o tribunal do Universo. Pecamos, quebramos a lei de Deus, rebelamo-nos contra Ele em pensamento e ação e merecemos morrer. “Pois o salário do pecado é a morte” (Rm 6:23).

Mas graça significa que Deus não nos trata de acordo com aquilo que merecemos. Ele nos trata como Jesus merece. Fomos homens mortos caminhando, mas agora caminhamos como filhos e filhas de Deus, na plenitude do perdão e na vida nova que Ele nos concede. Sim, “o salário do pecado é a morte”, e esse é o nosso salário, mas a segunda parte do verso diz que “o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor”.

Não mais o salário, mas o dom. Não aquilo que merecemos, mas o que não merecemos. Louvado seja Deus!

“Cristo foi tratado como nós merecíamos, para que pudéssemos receber o tratamento a que Ele tinha direito. Foi condenado pelos nossos pecados, nos quais não tinha participação, para que fôssemos justificados por Sua justiça, na qual não tínhamos parte. Sofreu a morte que nos cabia, para que recebêssemos a vida que a Ele pertencia. ‘Pelas Suas pisaduras fomos sarados’” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 25).

Querido Deus, que a Tua graça inunde a minha vida hoje, e que através de mim alcance as pessoas ao meu redor.

(08 de 08) Como ser feliz em 8 sábados? – Pr. Álvaro Martinho

martires-coliseu Chegamos ao fim da série de 8 sábados, mas o sentimento não é de tristeza e sim de alegria, afinal de contas, aprendemos todos os passos para sermos bem-aventurados. Agora, na condição de pecadores, precisamos dobrar nossos joelhos e pedir ao Senhor Deus do Universo que aumente nossa fé, confiança, esperança a ponto de que ele transforme nosso caráter e que assim sejamos homens e mulheres bem-aventurados.

“Bem-aventurados os perseguidos por causa da Justiça, porque deles é o Reino dos Céus.” Mateus 5: 10-12

A plataforma foi composta por Leidimar Bergamim, Claudiomar Bergamim, Pr. Álvaro Martinho, Marinete Pereira Buss e Alan Capiche.

A adoração infantil ficou com Silvana Baldon.

Com a música especial, estava nosso querido jovem Vitor Goese que agora está estudando no EDESSA e veio nos fazer uma visita já que veio para casa ver os seus pais.

Ele cantou a música “Prossiga” do cantor Ronaldo Arco que você pode ver e escutar no vídeo logo abaixo.

 

  O Hino Inicial foi o do Hinário Adventista Nº 004 – Louvor ao Trino Deus

 

Ao iniciar o sermão, o pastor nos lembrou de que esta série esta acabando, mas ele já tem tudo preparado para que no próximo sábado já estejamos estudando mais um tema muito interessante que tem o título de “Os 12 Livros Esquecidos da Bíblia”. São os livros dos profetas menores e que ao longo do tempo foram perdendo o valor. Precisamos conhecer estes livros, porque neles está contida a palavra de Deus.

O pastor deu prosseguimento ao sermão dizendo que Jesus apresentou o Sermão do Monte logo no início de seu ministério, porque ele queria alertar aos seus seguidores sobre as coisas pelas quais todos sofreriam por amor de Seu nome.

A perseguição é uma certeza na vida do crente, desde a fundação do mundo.

Antes da Coroa tem sempre uma Cruz.

A sétima bem-aventurança nos ensina a seremos pacificadores, porém a oitava nos diz que seremos causadores de problemas ou causadores de perseguições. O mundo não ama os que cumprem as Bem-aventuranças, apesar de que deveria ser o oposto.

II Timóteo 3: 18 – Todos os que vivem piedosamente em Cristo, certamente serão perseguidos.

Talvez hoje não sejamos tão perseguidos pelo mundo, porque talvez não somos tão distintos dele ou por não vivermos piedosamente em Cristo.

Precisamos perseguir a santificação, ir atrás dela. Somente assim que esta profecia de Jesus se cumprirá em nossas vidas.

No sentido bíblico, a perseguição é insulto, zombaria, falta de entendimento e aceitação.

Da mesma forma foi com Jesus. Zombado e insultado por todos desde o início até na cruz por um dos ladrões crucificados com Ele.

Seremos bem-aventurados até quando mentindo, nos maltratarem ou nos acusarem.

Os Grandes nomes e heróis bíblicos também foram perseguidos, por não adorar ao Imperador Romano e por se reunir na Santa Ceia foram até chamados de canibais porque diziam estar comendo e bebendo o corpo e o sangue de Cristo.

CLIQUE AQUI e veja como os 12 Apóstolos de Cristo morreram.

No Brasil desfrutamos de liberdade religiosa, porém não podemos nos acomodar com esta tal liberdade. Mas também precisamos orar por nossos irmãos que estão em países que não tem a mesma liberdade religiosa.

Precisamos aguardar estas perseguições todos os dias, para estarmos preparados quando sofrermos por Cristo.

Não são bem-aventurados os que são perseguidos por sua má conduta, por contas atrasadas, por mau testemunho, pelos maus costumes, pela falta de educação ou maus tratos com o próximo.

A verdadeira perseguição é a que está descrita nos versos 10 e 11. Aquele que ama a Cristo, que busca ser como Cristo, que guardam os mandamentos de Deus (Apocalipse 12:17).

Seremos criticados até por questões que hoje o mundo ensina como verdade. Exemplo: Condenar homossexualismo, o divórcio, guardar o sábado. Talvez você seja acusado de homofobia, masoquismo ou até será chamado de preguiçoso.

Existe uma maneira de não ser perseguido?

R: Basta ser como o mundo, que tudo aceita, que tudo faz ao contrário da Palavra de Deus. Quanto mais parecido formos com o mundo, mais aplaudidos seremos por Satanás.

Qual deve ser nossa atitude quando estivermos sendo perseguidos?

R: Regozijai-vos e Exultai-vos. Não podemos ficar desesperados, tristes e com medo. Precisamos ficar felizes, esperançosos e com a certeza de que isso é para honra e glória de Deus.

Paulo e Silas, presos na cadeia, preso pelos tornozelos, ainda sim cantou e adorou a Deus.

Deus quer dar forças a seus servos fiéis no meio da perseguição.

3 Razões para alegrar-se em meio a perseguição.

1ª. Porque dos perseguidos é o Reino dos Céus.

2ª. Porque Grande é a Recompensa/Galardão nos Céus.

3ª. Porque até mesmo os profetas foram perseguidos, como Jeremias que foi serrado ao meio, Noé que foi zombado por construir a Arca, entre muitos outros. Alguns foram xingados, presos, martirizados.

Quando nos estivermos na mesma situação destes Grandes Homens, perceberemos que o Dia do Senhor está chegando e estaremos bem perto de entrar no Reino dos Céus.

João Crisóstomo foi chamado até o Imperador Romano e seria expulso se não parasse de pregar sobre Jesus. Porém diante do Rei ele disse: “Majestade, tu não podes me prender, porque o mundo é a casa do meu Pai e onde quer que me prenda lá encontrarei com meu Pai.”, “Majestade, tudo também podes levar meus tesouros, porque meu verdadeiro tesouro está no Céu.”, “Majestade, o senhor pode tirar todos os que me defendem, porque eu tenho um advogado no céu que é fiel e justo para me salvar, Jesus Cristo, O Justo”.

Finalmente Crisóstomo foi mandado embora para as montanhas da Arménia e acabou morrendo no caminho.

Que passamos a ser estes verdadeiros Cristãos que a Bíblia quer que sejamos.

Que Deus nos abençoe e aumente nossa fé de maneira que no dia da perseguição possamos ser aquele povo Bem-aventurado que o Senhor tanto deseja que esteja no Céu.

Para finalizar, cantamos o Hino do Hinário Adventista Nº 300 – Herdeiro do Reino

 

(07 de 08) Como ser feliz em 8 sábados? – Pr. Álvaro Martinho

 Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus. Mateus 5:9

PACIFICADORES BEM AVENTURANÇASChegamos ao penúltimo dia da série Como Ser Feliz em 8 Sábados, e a cada vez percebemos o quanto precisamos entender, estudar e viver o que as escrituras ensinam.

Deus quer que sejamos felizes, e se você não é feliz é porque você não enxergou a felicidade ao teu lado.

Pacificação é uma palavra ativa e não passiva. O verso de hoje nos diz que precisamos promover a paz e não apenas estar em paz.

Hoje o mundo promove passeatas de paz, soltam balões brancos e etc. O mundo assimilou paz à ausência de guerra e etc.

 

1 – Paz – Relacionamento com Deus.

2 – Paz – Entre as pessoas.

3 – Paz – Segurança e confiança eterna em Deus.

Em Efésios 2:1-3 – Que maravilha saber que antes andávamos em pecado e hoje vivemos lutando contra ele. Não seria ótimo se nascêssemos sorrindo ao invés de chorando, afinal, temos muitos motivos para isso.

Veja bem, quando nascemos, ficamos 9 meses no escuro, de cabeça para baixo, balançando por todos os lados, engolindo o alimento que você não pediu e ao sair vemos a luz, as pessoas que nos amam e nos esperavam a tanto tempo.

Então porque choramos quando nascemos?

R: Choramos porque nascemos com a natureza do pecado e ate quando crescemos nos inclinamos para cometer erros que nunca ninguém nos precisou ensinar. Incrível.

O pastor nos contou a história de sua filha, quando num dia chegou em casa com uma bonequinha diferente das que tinha. A mãe perguntou da boneca e a filha disse que havia ganhado de uma coleguinha. Na verdade ela havia pegado da amiguinha sem que ela deixasse.

O pastor e sua esposa foram até a casa da amiguinha para devolvê-la.

Efésios 2:4, 5 – Jesus, Deus por seu Grande Amor e Misericórdia nos deu Vida.

Romanos 5:1 – por meio de Jesus é que passamos a ter paz com Deus.

Quando você conhecer alguém que reclama que não consegue dormir, ao menos que seja por problemas de saúde, é porque não tem paz com Deus. Por isso as crianças dormem em qualquer lugar, você já percebeu isto?

Muitos de nós não tem paz com Deus, mesmo lendo a Bíblia, orando e etc. Precisamos cuidar disso.

Isaías 52:7 – Nos lembrou da igreja de João Colombi, a caçula do distrito. Contou-nos que usa até outro sapato, um sapato velhinho, pois o lugar é íngreme e tem muita poeira. Embora no dia de Sábado tendo um sapato novo e mais bonito para usar, o sapato velhinho e empoeirado é o que tem mais valor para Deus.

Quando convidamos os amigos para vir à igreja, somos mais beneficiados. Isto é evangelizar, é promover paz, paz verdadeira, paz que vem do alto.

Precisamos desfrutar mais de promover paz, pois até os sapatos aprendemos a escolher, até os vizinhos aprendemos a convidar, basta confiar em Deus e ir fundo.

Agora se você só espera paz, então você só fica reclamando, porque só espera do próximo e nada sai de ti. Até o programa do amigo visitante foi estabelecido por pessoas que necessitam mostrar e levar paz ao próximo.

Tem gente especialista em por lenha na fogueira. Começam na cama do lado do cônjuge, na mesa do café, picuinhas, problemas e confusões.

Precisamos tornar nossos lares, um lar de Paz, onde o Senhor possa habitar.

Certa vez uma senhora o disse: “Às vezes, aqui em casa, é melhor eu ficar quieta, se não acontecem guerras.”.

Tem horas que precisamos falar e horas que precisamos nos calar. Isso é promover paz. Precisamos ser agentes de paz e não tocadores de lenha na fogueira.

Hoje de manhã, é possível que haja pessoas que precisam de conciliação. Esposo com esposa, irmão com irmão, amigo com amigo, vizinho com vizinho, enfim, precisamos resolver isto, porque isso é um ponto fundamental para ter paz verdadeira.

Porque pela misericórdia de Deus conseguiremos e se você confia nisso, certamente será bem-aventurado.

Somente seremos filhos verdadeiros de Deus, quando promovermos a Paz, assim como Deus que é um promotor de Paz.

Que Deus lhe dê a Paz que você tanto necessita e que você possa ser Bem-aventurado.

Traços do Reino: #Crença

“[…] antes, santifiquem Cristo como Senhor no coração. Estejam sempre preparados para responder a qualquer que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês” (1Pe 3:15, NVI)

Cristão Infelizmente, pode-se considerar como um fato, evidente e palpável, que boa parte da cristandade atual caiu na grande armadilha de conferir mais valor a uma “causa cristã” do que a uma “fé cristã”. Criou-se uma espécie de “ignorância santa” que procura auto-afirmar-se através de argumentos irrelevantes provenientes de seres completamente vazios. Fala-se a respeito de sentimentos, moralidade, humanismo, bênçãos, prosperidade ou exclusividade denominacional, mas nunca, de fato, da Bíblia e da fé cristã. O maior pecado do cristianismo tem sido a não-reflexão; a falta de valorização da vida interior. Contemplamos um cristianismo quase que sensual, que segue imagens, artes visuais, música “gospel” e que negligencia o estudo e o discipulado piedoso (CRAIG, 2011). A fé não provem mais do “ouvir a mensagem da palavra” (Rm 10:17, NVI), antes, configura-se uma religião incapaz de fazer uma ponte entre sua vida e sua crença. Estão impossibilitados de dar “a razão da esperança” que rege a fé cristã (1Pe 3:15); conduzem-se através de achismos infundados e a isso chamam “verdade”. Glorificam o cristianismo e não a Deus. Fundamentam-se em nada.

CRAIG, W. L. O iminente colapso evangélico. 10 jan. 2011. Disponível em <bit.ly/ym4IZw>. Acesso em: 26 fev. 2012.

 

Fonte: http://tracosdoreino.com.br/2012/03/tracos-do-reino-crenca/

Ele Emprestou sua Cama

Compartilhai as necessidades dos santos; praticai a hospitalidade. Romanos 12:13

LivreGeorge Boldt trabalhava no balcão da portaria de um pequeno hotel na Filadélfia. Os ponteiros do relógio indicavam uma hora da madrugada. Os quartos estavam lotados. Lá fora chovia muito. “Acho que vou trancar a porta e ir para a cama”, pensou ele.

Nesse instante, a porta se abriu e um casal idoso entrou.

– Todos os hotéis estão cheios – disse o senhor de cabelos brancos. – Seria possível conseguir um quarto para nós?

– Sinto muito – respondeu George. – Está havendo três convenções na cidade. Não há vagas em lugar nenhum.

O homem olhou para sua esposa e suspirou.

– Mas não posso simplesmente despedir um casal simpático como vocês, na chuva, a esta hora da noite – continuou George. – Será que estariam dispostos a dormir no meu quarto?

– Não queremos desalojá-lo.

– Vou dar um jeito. Não se preocupem comigo. Insisto para que fiquem. Acompanhem-me.

Na manhã seguinte, quando o idoso senhor pagava a conta, disse a George:

– Você é o tipo do gerente que deveria trabalhar no melhor hotel dos Estados Unidos. Talvez algum dia eu construa um para você!

George deu uma risada. E nunca mais esperou receber notícias daquele homem. Que surpresa foi para ele, portanto, quando dois anos mais tarde lhe chegou uma carta de seu hóspede daquela noite chuvosa. Anexa à carta estava uma passagem para Nova York, ida e volta. “Venha visitar-me”, dizia a carta. “Tenho uma coisa para lhe mostrar.” A carta estava assinada por William Waldorf Astor.

Em Nova York, um George estupefato acompanhava o Sr. Astor até a esquina da Quinta Avenida com a Rua 34. Ali viu um prédio de pedras avermelhadas. Parecia um castelo contra o céu de Nova York.

– Este é o hotel que construí para você gerenciar! – comentou o idoso senhor, que ria do embasbacado jovem.

A placa na frente do prédio dizia: “The Waldorf Astoria Hotel”.

 

Fonte: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/ij/2012/frij2012.html