Só Jesus subiu ao Céu?

Se Jesus disse que somente ele subiu aos céus, o que dizer de Elias, Moisés e Enoque?
Se Deus não faz acepção de pessoas, por que Ele cura uns e não cura outros?
Enoque está no Céu?
As crianças sofrerão as pragas mencionadas no Apocalipse?
Haverá distinção sexual no Céu?
Em Atos 19:12 objetos são usados para curar pessoas, como explicar isso?
Qual casamento é válido diante de Deus, o civil ou religioso?
Miguel realmente é Jesus?
O sábado foi instituído somente na criação ou ele sempre existiu e todos o guardam?
A prática da unção com óleo ainda é válida?
MOMENTO DA MENTIRA – Devemos orar pelos mortos?
O que acontece com a alma após a morte?
Por que a blasfêmia contra o Espírito Santo não tem perdão?
Deus faz revelações para trazer sofrimentos?

Exibido em 27/01/2015

Fonte: http://novotempo.com/namiradaverdade

Anúncios

Doutrina do Sábado: uma vacina contra o legalismo

“Sou cristã e, ao ler a Bíblia, percebo que Jesus Cristo não veio para anular nenhum dos mandamentos de Deus. Porém, fico confusa quando leio que os discípulos trabalhavam aos sábados. Ajude-me a solucionar essa aparente contradição […]”.

Realmente, Jesus não aboliu a Lei e os Profetas (Mt 5:17-19). Todavia, como entender o trabalho dEles aos sábados?

A resposta está no tipo de trabalho que eles realizavam. O mesmo era evangelístico (Jo 5:17) e lícito aos sábados (Mt 12:12). Tudo o que tinha a ver com a cura e alívio do sofrimento fazia parte do “trabalho” a ser feito (Mc 2:27) no “dia do Senhor” (Mt 12:8; Mc 2:28), bem como nos demais dias.

Todavia, as atividades seculares não eram feitas. Elas eram proibidas pelo mandamento (Êx 20:8-11). Por exemplo, Jesus, ao invés de estar na carpintaria no dia de sábado, se encontrava na Sinagoga (Lc 4:16). Paulo, ao invés de construir tendas (At 18:1-3), também se dedicava à adoração a Deus, mesmo estando em território pagão (At 16:13; 17:2, etc.).

Perceba que é vital diferenciarmos a natureza do trabalho, para que a questão não se apresente diante de nós como contraditória. Quando compreendemos também que Jesus nunca foi contra a observância do mandamento (veja-se Jo 15:10) e sim contra a maneira legalista de observá-lo (ver Mt 12:1-8; Mc 2:23-28; Lc 6:1-5; Mt 12:9-13; Mc 3:1-5; Lc 6:6-10; Jo 5:1-17), temos mais certeza ainda da validade do preceito para nossos dias (ler Rm 7:12; 3:31). O Salvador se opôs não ao 4º mandamento em si, mas ao abuso que os fariseus cometiam ao ensiná-lo às pessoas.

É importante destacar mais alguns pontos para nossa reflexão:

1. A salvação é unicamente pela graça de Jesus (Ef 2:8, 9) e a alcançamos pela fé nEle (Jo 3:16, 36; Rm 5:1), independente de obras (Gl 2:21). É um presente e, por presentes, não pagamos (cf. Rm 11:5, 6).

2. Desse modo, a observância do sábado, longe de “nos dar direito a alguma coisa”, é uma expressão de nossa adoração a Deus, daquela mudança que a graça tem efetuado em nossa vida (Ef 2:10; Ez 20:12, 20).

Segundo Ezequiel 20:12, 20, 21, a guarda do sábado é um lembrete  de que O SENHOR NOS SANTIFICA, não nós mesmos, por meio de nossa obras imperfeitas  (cf. Is 64:9)

Portanto, o mandamento é um lembrete tanto da atividade criadora de Deus (Êx 20:8-11) quanto de Sua graça, pois, nos ensina que não podemos ser pessoas melhores sem a ajuda dEle (compare Ezequiel 20:12, 20 com Rm 2:4).

3. Deus convida Seus filhos para O adorarem todos os dias (At 2:46, 47), especialmente no sétimo dia da semana (compare Êx 20:11 com Ap 14:7). Por isso, nós adventistas cremos que faz parte da pregação do evangelho restaurar a adoração original Àquele Deus que nos salva e santifica (Ap 14:6, 7). E essa adoração inclui a observância do sétimo dia, estabelecido desde o Éden, num mundo sem pecado (Gn 2:1-3) pelo generoso e benevolente Deus.

Afinal, “o sábado, ao chamar a atenção para a atividade criadora e recriadora de Deus, revela Sua generosidade” (Kenneth A. Strand em “O Sábado”. Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia, vol. 9 [Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2011], p. 567).

Espero que essas breves considerações tenham lhe ajudado em sua análise do tema, amigo (a) leitor (a). Recomendo a leitura do livro O Sábado na Bíblia: Por que Deus faz questão de um dia, de Alberto R. Timm. Pode ser adquirido com a Casa Publicadora Brasileira pelo site www.cpb.com.br

Há ótimos materiais em inglês que também podem lhe ajudar a fazer um estudo profundo sobre o assunto. Uma dessas obras se intitula The Sabbath in Scripture and History (O Sábado na Escritura e na História). Foi editada por Kenneth A. Strand e publicada pela Review And Herald Publishing Association em 1982.

Deixo-lhe alguns textos bíblicos para sua reflexão:

“Também lhes dei os meus sábados, para servirem de sinal entre mim e eles, para que soubessem que EU SOU O SENHOR QUE OS SANTIFICA.” (Ez 20:12)

“Se vocês guardarem o meu sábado, sem correrem atrás de lucros e divertimentos no meu dia santo, se vocês tiverem verdadeiro prazer no meu descanso e disserem: ‘Este é o santo dia do Senhor!’, se vocês honrarem o Senhor em tudo o que fizerem, não procurando fazer sua própria vontade, nem falarem o que não presta, então o Senhor será a sua alegria! Eu mesmo os ajudarei a vencer todas as dificuldades e ter vitória e glória na terra. Vocês receberão todas as bênçãos que eu prometi a Jacó, seu pai. Eu, o Senhor, falei” (Is 58:13, 14, Nova Bíblia Viva).

Deus lhe abençoe ricamente e tenha um feliz sábado!

Fonte: http://novotempo.com/namiradaverdade

O “cair no espírito” do demônio

Introdução

A irmã batista Eliane Faria, telespectadora do programa “Na Mira da Verdade”, enviou-me um questionamento que creio ser a dúvida de muitos internautas. Ela pediu auxílio para compreender 1 Samuel 19:20-24, texto que apresenta Saul em transe profético e que supostamente apoia o “cair no Espírito” nos cultos públicos. Leiamos os versículos na Nova Versão Internacional:

“Então Saul enviou alguns homens para capturá-lo. Todavia, quando viram um grupo de profetas profetizando, dirigidos por Samuel, o Espírito de Deus apoderou-se dos mensageiros de Saul, e eles também entraram em transe. Contaram isso a Saul, e ele enviou mais mensageiros, e estes também entraram em transe. Depois mandou um terceiro grupo e eles também entraram em transe. Finalmente, ele mesmo foi para Ramá. Chegando à grande cisterna do lugar chamado Seco, perguntou onde estavam Samuel e Davi. E lhe responderam: “Em Naiote de Ramá” Então Saul foi para lá. Entretanto, o Espírito de Deus apoderou-se dele, e ele foi andando pelo caminho em transe, até chegar a Naiote. Despindo-se de suas roupas, também profetizou na presença de Samuel, e, despido, ficou deitado todo aquele dia e toda aquela noite. Por isso, o povo diz: “Está Saul também entre os profetas?” (1Sm 19:20-24)

Alguns irmãos tentam justificar o “cair no Espírito” com essa experiência de Saul. Todavia, o contexto do evento e outros textos bíblicos paralelos nos provam que o “cair no Espírito” não é um fenômeno de origem divina e, portanto, deve ser abandonado, antes que a vida espiritual do cristão seja ainda mais comprometida.

A seguir, veja algumas das razões para duvidarmos que 1 Samuel 19:20-24 esteja dando apoio ao “cair” sobre a influência do Espírito Santo.

 

Provas de que o Espírito Santo não joga as pessoas no chão

1º: O contexto nos mostra que Saul não estava participando de nenhum culto de adoração, mas, sendo impressionado por Deus para mudar de vida.

Saul queria matar Davi por causa da inveja e por receio de perder o seu “cargo” de rei (1Sm 19:1-17). O então rei de Israel estava indo longe demais e, através da capacidade de profetizar (dada também aos mensageiros que ele enviou – 1Sm 19:20, 21), “recebeu uma evidência clara de que Deus estava protegendo Davi”. É bem provável que “[…] ali o Espírito Santo tenha insistido com Saul pessoalmente pela última vez” (Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 2. Tatuí, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 2012, p. 589. Ver 1Sm 19:24).

O referido comentário também explica que “é possível que tenha saído de seus lábios [de Saul, enquanto profetizava sob a influência do Espírito] não só uma confissão da justiça da causa de Davi, mas também a condenação de seus atos […]”.

2º: Ao Espírito Santo apoderar-se de Saul, ele prosseguiu caminhando até chegar a Ramá (cidade localizada na região montanhosa de Efraim, a cerca de 8km de Jerusalém), onde estavam os demais mensageiros que também profetizavam (1Sm 19:23). Essa capacidade de caminhar e chegar a um local específico nos mostra que, apesar de Saul estar em “transe”, detinha capacidade autônoma, de modo que a presença do Espírito não tirou a individualidade do rei.

3º: O verso 24 do capítulo 19 diz apenas que ele “ficou deitado todo aquele dia e toda aquela noite” e não dá a entender que, para isso, ele tenha “sido jogado no chão” ou tido atitudes excêntricas, do mesmo modo que vários irmãos que alegam estar sobre a influência do Espírito sobre tais circunstâncias.

4º: O Novo Testamento, que mostra a atuação do Espírito de maneira ainda mais clara, nos ensina que a Terceira Pessoa da Trindade não gosta das manifestações pentecostais pós-modernas que envolvem (muitas delas) gritos, barulho, desordem e ações excêntricas. Veja:

a) Efésios 4:30, 31 afirma que o Espírito é entristecido com a gritaria;

b) 1 Coríntios 14:33 ensina que “Deus não é Deus de desordem, mas de paz. Como em todas as congregações dos santos”, ou seja: até mesmo nas igrejas pentecostais Ele quer ser um Deus de ordem e de paz.

c) 1 Coríntios 14:40 mostra que o culto que agrada ao Senhor “deve ser feito com decência e ordem”.

d) Gálatas 5:22, 23 deixa claro que, no momento em que uma pessoa é tomada pelo Espírito, ela revela em sua vida nove qualidades de caráter, entre elas: paz (v. 22), mansidão e domínio próprio(v. 23).

Essas características do caráter do Espírito Santo nos impedem de aceitar que as manifestações em muitos (não todos!) meios pentecostais sejam realmente de origem divina. Se em um culto, mesmo que o nome de Deus seja pronunciado (Conferir Mateus 7:21-23), as pessoas manifestam atitudes e comportamentos diferentes daqueles que o Espírito divino possui, conforme vimos nos textos acima, isso é suficiente para provar-nos que “outro espírito” é quem está por trás de tais fenômenos.

5º: Marcos 9:17 e 18 diz que o espírito que faz as pessoas caírem é o espírito do demônio. Veja que texto forte e, ao mesmo tempo, esclarecedor:

“Um homem, no meio da multidão, respondeu: ‘Mestre, eu te trouxe o meu filho, que está com um espíritoque o impede de falar. Onde quer que o apanhe, joga-o no chão. Ele espuma pela boca, range os dentes e fica rígido. Pedi aos teus discípulos que expulsassem o espírito, mas eles não conseguiram’’

“Mas o fruto do Espírito é… mansidão e domínio próprio” (Gl 5:22, 23)

O Espírito Santo sempre quer erguer o crente e nunca jogá-lo no chão. Veja que, ao Cristo expulsar o demônio do menino (leia Marcos 9:14-29), o Salvador “tomou-o pela mão e o levantou, e ele ficou em pé”(v. 27).

Portanto, não há dúvidas: o “cair no Espírito”, mesmo fazendo parte da vida de muitos cristãos sinceros e verdadeiros filhos de Deus, é uma manifestação demoníaca, com o objetivo de confundir as pessoas e apresentá-las uma imagem distorcida do divino e manso Espírito Santo.

 

O inimigo conhece o grande potencial dos irmãos pentecostais

O inimigo de Deus sabe que muitos amigos pentecostais são candidatos à vida eterna e salvos em Cristo. Tem ciência do quanto o Espírito Santo os usa para relembrar aos demais cristãos sobre a importância dos dons espirituais para a edificação da igreja e conclusão da obra de evangelização mundial.

Por isso, através de manifestações sobrenaturais que dão uma sensação aparentemente agradável aos que são possuídos por tal espírito, o Diabo quer impedi-los de terem uma experiência verdadeira com o Espírito. O inimigo, através de tal contrafação do Espírito, quer impedir que os irmãos aprendam a apreciar um culto tranquilo, racional (Rm 12:1, 2) e que tenha a emoção na medida certa (Fp 4:4), do jeito certo (1Co 14:33, 40).

Muito cuidado, irmãos. Uma das principais obras satânicas nesses últimos dias é contrafazer a obra do Espírito Santo. Ele sabe que o Espírito é o “outro consolador” divino (Jo 14:16), que glorifica a Jesus Cristo e o plano de salvação (Jo 16:14), nos convence “do pecado, da justiça e do juízo” (Jo 16:8), guia-nos a “toda a verdade” (Jo 16:13) e santifica a nossa vida (Rm 6:23). O Diabo sabe que nesse processo de santificação o Espírito nos torna parecidos com Jesus através do novo nascimento (Jo 3:1-8) e “escreve” os princípios morais da Lei de Deus em nosso coração (Hb 8:10).

Por isso, não é do interesse do demônio que as pessoas tenham um conhecimento pleno (e correto) da Pessoa e da Obra do Espírito Santo. Afinal, através de um falso espírito santo, ele pode desencaminhar muitos e levá-los a seguir pelo caminho largo, que leva à perdição (Mt 7:13, 14).

O inimigo não vai atrás de quem já é dele. Por isso, meu irmão pentecostal, se você “cai no espírito”, peça a Deus discernimento e coloque a Revelação bíblica acima dos seus sentimentos. Leia esse artigo com oração e mente disposta (Jr 15:16) a conhecer cada vez mais esse Deus que tanto lhe ama (Jr 31:3). Submeta-se a Ele (Tg 4:7) e preste-Lhe um culto alegre (Fp 4:4) e racional ao mesmo tempo (Rm 12:1, 2), para que sua mente receba todas as verdades que o Espírito Santo quer lhe comunicar para sua felicidade presente e eterna:

“Quer você se volte para a direita quer para a esquerda, uma voz atrás de você lhe dirá: ‘Este é o caminho; siga-o’” (Is 30:21).

Um abraço do amigo e irmão em Cristo,

 

Leandro Quadros

[www.leandroquadros.com.br]

O Salmo 118 e a “observância” do domingo

Calendário “A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular. Isso vem do Senhor, e é algo maravilhoso para nós. Este é o dia em que o Senhor agiu; alegremo-nos e exultemos neste dia.” (Nova Versão Internacional, grifo acrescentado).

Há muito tempo vários defensores da observância do primeiro dia da semana têm forçado o Salmo 118:22-24 a dizer o que ele não quer.

Afirmam tais estudiosos que o “dia em que o Senhor agiu” é uma referência ao dia da ressurreição de Jesus (domingo) e que, portanto, o salmista estaria profetizando a mudança do dia de guarda.

Entretanto, é impossível imaginar que Davi estivesse fazendo uma profecia sobre algo contrário ao que Jesus mesmo disse em Mateus 5:17-19. O Salvador garantiu que Ele não veio para mudar a Lei, tornando assim o plano de salvação algo incoerente (por que pagar a dívida por nossa desobediência a uma Lei que pode ser mudada?)

Ele veio para cumprir a Lei (que nesse texto se refere aos escritos de Moisés) no sentido de dar a ela o seu verdadeiro significado e mostrar a amplitude espiritual dela. Esse é o significado do termo grego para “cumprir” (pleroo).

Além disso, é de estranhar que Davi, um observador do sábado, que até compôs o que conhecemos como Salmos Sabáticos (do número 92 a 100), tenha profetizado a mudança do dia de guarda.

Mais estranho ainda é ele não ter feito pelo menos um Salmo (ou hino) para “comemorar” a santidade do domingo! Não estou fazendo uso do chamado “argumento do silêncio”, mas, refletindo no comportamento do salmista diante do dia de guarda.

NÃO É SÓ ISSO

A seguir, apresentarei outras razões que nos levam a ter certeza de que o Salmo 118 não fala da observância do domingo. Elas foram extraídas do livro Respostas a Objeções, de Francis Nichol (Casa Publicadora Brasileira, 2004), p.p. 159-162:

1) Em nenhum lugar a Bíblia diz que Cristo tornou-se a “principal pedra angular” pelo ato de ressuscitar dos mortos;

2) O contexto de Colossenses 1:18 indica que, se algum ato está sendo focalizado, é a morte de Cristo, que ocorreu no sexto dia da semana (Nota: para serem mais coerentes com o próprio argumento em torno do Salmo 118, os observadores do domingo deveriam observar a sexta-feira);

3) É evidente que a declaração de Paulo em Efésios 1:22, a respeito da supremacia de Cristo sobre a igreja, não justifica a conclusão de que a aquisição de Sua supremacia ocorreu no domingo da ressurreição;

4) O grande plano da salvação depende de uma série de importantes eventos (não somente a ressurreição): a crucifixão e o segundo advento;

5) Um exame dos versos que precedem e seguem a passagem (Sl 118:22-24) revela que o salmista aqui está preocupado com o assunto amplo da salvação (e não com a observância do domingo). Assim diz o verso 21: “Render-te-ei graças porque me acudiste e foste a minha salvação”. Diz o verso 25: “Oh! Salva-nos, Senhor, nós te pedimos; oh! Senhor, concede-nos prosperidade!”. Compare o comentário de Pedro no Novo Testamento: “Este Jesus é a pedra rejeitada por vós, os construtores, a qual se tornou a pedra angular. E não há salvação em nenhum outro” (At 4:11, 12).

6) De acordo com o apóstolo Paulo (2Co 6:2), o “dia da salvação”, do qual os profetas tinham escrito, era o “agora” (decidir-se pela salvação HOJE), quando ele estava escrevendo à igreja de Corinto, muitos anos depois da ressurreição.

7) O paralelo do Salmo 118:22-24 é com João 8:56. Veja:

“Este é o dia que o Senhor fez; regozijemo-nos e alegremo-nos nele”

“Abraão, vosso pai, alegrou-se por ver o Meu dia, viu-o e regozijou-se.

O paralelismo é perfeito. Aqui vemos que Abraão, com olhar profético, antecipou o próprio tempo em que Cristo estaria diante dos homens para lhes oferecer a salvação e “regozijou-se”. Evidentemente, o “dia da salvação”, segundo esse texto paralelo, começou antes da ressurreição.

A conclusão natural é que o Salmista está falando do dia da salvação que seria anunciado claramente pelo advento de nosso Senhor como o Salvador da humanidade.

E para encerrar, Francis Nichol continua: “A Bíblia revela que Abraão ‘regozijou-se’ e ‘alegrou-se’ em relação ao ‘dia’ do qual falou o salmista. Há algum defensor do domingo tão corajoso a ponto de afirmar que Abraão guardou o domingo?”

CONSELHO FINAL DESTE IRMÃO

Aceite os fatos não por causa dos adventistas, mas, por causa do seu amor e respeito a Deus (Jo 14:15). E, medite no fato de Davi ter escritos os salmos sabáticos e não “salmos dominicais”.

Ah! Não se esqueça do que Jesus ensinou em Mateus 5:17-19. Isso evitará que sua mente divague em busca de novos “argumentos”, além dos que Deus já expos claramente nas Escrituras a respeito do assunto.

Um abraço e que “O Senhor do Sábado” (Mc 2:28; Mt 12:8) lhe abençoe e guarde.

(Autor: Leandro Quadros)

Fonte: http://novotempo.com/namiradaverdade/2012/01/15/o-salmo-118-e-a-%E2%80%9Cobservancia%E2%80%9D-do-domingo/