Como entender a existência de três pessoas na Divindade, sendo chamadas de um único Deus?

A natureza das três pessoas da Divindade não nos é possível compreender plenamente, mas, pelas evidências escriturísticas, podemos compreender e aceitar Sua existência.

Nossa mente finita não pode entender, mas a Revelação nos diz claramente: “Ouve ó Israel, o Senhor Teu Deus é um único Deus” (Deuteronômio 6:4). Entretanto, se observarmos atentamente as evidências bíblicas, este Deus único é composto de três pessoas distintas.

Apresentaremos, a seguir, uma série de textos sobre as três pessoas da Divindade.

Em Êxodo 3:4 temos a revelação acerca do nome de Deus – “Eu Sou o que Sou”. Normalmente, aceitamos que esse texto está falando de Deus Jeová, o Pai. No entanto, João 8:58 nos diz que os judeus queriam matar Jesus porque Ele disse “EU SOU”. Percebemos aqui que, na verdade, quem se manifestou na sarça ardente (Êxodo 3:4-12) foi Jeová, o Filho. Isso é confirmado pelo relato de Atos, capítulo 7.

Em João 10:30, outra vez os judeus queriam pegar em pedras para matar Jesus. Ele dissera:“Eu e o Pai somos um”. Eles o acusaram de blasfêmia porque Ele se proclamara igual a Jeová, o Pai.

Não entendemos tudo, mas somos chamados a aceitar essa e outras revelações da Palavra – precisamos crer!

Continuando, em 2 Pedro 1:17 nos é declarado que Jesus recebeu de Deus o Pai (Jeová) a honra e a glória quando lhe foi dirigida a voz: “Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.”

Aqui temos duas coisas específicas: primeiro, que há uma pessoa chamada Pai; segunda, que Ele é identificado como Jeová (Deus).

Vamos para outras evidências acerca das pessoas da Divindade:

 A Pessoa de Jesus

Em Apocalipse 1:8 lemos: “Eu sou o Alfa e o Ômega (o princípio e o fim), diz o Senhor, aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-Poderoso.”

Quem é esse? Sem dúvida, Deus o Pai.

Examinaremos agora o capítulo 22:7, 13 e 16. “Alfa e Ômega, o princípio e o fim”. Essas expressões são aqui claramente atribuídas a Jesus. Por quê? Porque Ele sendo Deus (Jeová), o Filho também pode assumir esses títulos.

O título “Filho do homem” é atribuído a Jesus (Apocalipse 1:12). Já os versos 17 e 18 fazem referência a esse Filho do homem como o Alfa e o Ômega, o primeiro e o último. Jesus, sem dúvida, é Deus (Jeová), o Filho.

Coloquemos lado a lado Isaías 44:6 e Apocalipse 1:17 e 18. Há dois “primeiro e último”, dois “Alfa e Ômega”. É a mesma pessoa falando em distintas ocasiões!

Até este ponto, temos mostrado que há duas pessoas: Pai e Filho e ambas são chamadas de Jeová. Romanos 9:5 é um texto adicional para mostrar que Cristo é “Deus bendito eternamente”.

 A Pessoa do Espírito Santo

Saiamos em busca da terceira pessoa. Há uma terceira pessoa identificada como o Espírito Santo e que também se chama Jeová (Deus).

Em Atos 5, há um texto interessante que nos passa por alto quando lemos apressadamente. Temos ali a história de Ananias e Safira.

Nos versos 3 e 4, lê-se: “Disse então Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração para que mentisses ao Espírito Santo e retivesses parte do preço da verdade? Não mentiste aos homens, mas a Deus.”

Quem é esse Espírito Santo? A resposta está no verso 4: “Não mentiste aos homens, mas a Deus.”

Duas coisas: Pedro apresenta (verso 3) o Espírito Santo como uma pessoa e, no verso 4, reconhece que essa pessoa é Deus (Jeová).

O capítulo 13:1 e 2 de Atos tem mais detalhes. Ali nos diz que o Espírito Santo falou: “Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra que os tenho chamado”.

Notemos que o Espírito Santo fala e faz um chamado especial (para serviço) sem qualquer intermediário. Ele fala, decide, escolhe, separa (chama) a quem Ele deseja.

Conclusão: há três pessoas que são chamadas igualmente de Deus ou Jeová.

 Evidências Adicionais:

 Na encarnação – Lucas 1:35 – As três pessoas, em diferentes funções, são mencionadas.

  1. Batismo de Jesus – Mateus 3:16 e 17 – O Pai, o Filho e o Espírito Santo presentes por ocasião do batismo.
  2. A comissão evangélica – Mateus 28:19 – Outra vez encontramos a Trindade na fórmula oferecida para o batismo dos crentes.
  3. Na Ressurreição de Jesus – Atos 3:26; 2 Tessalonicenses 1:10; João 2:19-21 – Temos o Pai e o Filho envolvidos na ressurreição. Para completar o quadro, temos Romanos 8:11. Aqui o Espírito é apresentado como autor da ressurreição de Cristo. Atos 17:31 menciona Deus, o Pai, ressuscitando. O Deus triúno participou na ressurreição de Jesus.
  4. Bênção apostólica – 2 Coríntios 13:13 – Outra vez, o Pai, o Filho e o Espírito Santo atuando em favor da igreja cristã.

 Muito mais poderia ser acrescentado, pois há dezenas e centenas de textos para formar um quadro mais amplo. Em toda a Escritura temos evidência da ação de três Pessoas amorosas, poderosas, oniscientes e onipresentes unidas em um só propósito: salvar Seus filhos e guiá-los para a felicidade eterna.

“Esse é o nosso Deus a quem aguardamos; nele gozaremos e nos alegraremos” (Isaías 25:9). E afinal, não é exatamente isso que esperávamos dEle?

 Pr. Dermival Reis

Fonte: http://esperanca.com.br

Anúncios

Só Jesus subiu ao Céu?

Se Jesus disse que somente ele subiu aos céus, o que dizer de Elias, Moisés e Enoque?
Se Deus não faz acepção de pessoas, por que Ele cura uns e não cura outros?
Enoque está no Céu?
As crianças sofrerão as pragas mencionadas no Apocalipse?
Haverá distinção sexual no Céu?
Em Atos 19:12 objetos são usados para curar pessoas, como explicar isso?
Qual casamento é válido diante de Deus, o civil ou religioso?
Miguel realmente é Jesus?
O sábado foi instituído somente na criação ou ele sempre existiu e todos o guardam?
A prática da unção com óleo ainda é válida?
MOMENTO DA MENTIRA – Devemos orar pelos mortos?
O que acontece com a alma após a morte?
Por que a blasfêmia contra o Espírito Santo não tem perdão?
Deus faz revelações para trazer sofrimentos?

Exibido em 27/01/2015

Fonte: http://novotempo.com/namiradaverdade

O “cair no espírito” do demônio

Introdução

A irmã batista Eliane Faria, telespectadora do programa “Na Mira da Verdade”, enviou-me um questionamento que creio ser a dúvida de muitos internautas. Ela pediu auxílio para compreender 1 Samuel 19:20-24, texto que apresenta Saul em transe profético e que supostamente apoia o “cair no Espírito” nos cultos públicos. Leiamos os versículos na Nova Versão Internacional:

“Então Saul enviou alguns homens para capturá-lo. Todavia, quando viram um grupo de profetas profetizando, dirigidos por Samuel, o Espírito de Deus apoderou-se dos mensageiros de Saul, e eles também entraram em transe. Contaram isso a Saul, e ele enviou mais mensageiros, e estes também entraram em transe. Depois mandou um terceiro grupo e eles também entraram em transe. Finalmente, ele mesmo foi para Ramá. Chegando à grande cisterna do lugar chamado Seco, perguntou onde estavam Samuel e Davi. E lhe responderam: “Em Naiote de Ramá” Então Saul foi para lá. Entretanto, o Espírito de Deus apoderou-se dele, e ele foi andando pelo caminho em transe, até chegar a Naiote. Despindo-se de suas roupas, também profetizou na presença de Samuel, e, despido, ficou deitado todo aquele dia e toda aquela noite. Por isso, o povo diz: “Está Saul também entre os profetas?” (1Sm 19:20-24)

Alguns irmãos tentam justificar o “cair no Espírito” com essa experiência de Saul. Todavia, o contexto do evento e outros textos bíblicos paralelos nos provam que o “cair no Espírito” não é um fenômeno de origem divina e, portanto, deve ser abandonado, antes que a vida espiritual do cristão seja ainda mais comprometida.

A seguir, veja algumas das razões para duvidarmos que 1 Samuel 19:20-24 esteja dando apoio ao “cair” sobre a influência do Espírito Santo.

 

Provas de que o Espírito Santo não joga as pessoas no chão

1º: O contexto nos mostra que Saul não estava participando de nenhum culto de adoração, mas, sendo impressionado por Deus para mudar de vida.

Saul queria matar Davi por causa da inveja e por receio de perder o seu “cargo” de rei (1Sm 19:1-17). O então rei de Israel estava indo longe demais e, através da capacidade de profetizar (dada também aos mensageiros que ele enviou – 1Sm 19:20, 21), “recebeu uma evidência clara de que Deus estava protegendo Davi”. É bem provável que “[…] ali o Espírito Santo tenha insistido com Saul pessoalmente pela última vez” (Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 2. Tatuí, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 2012, p. 589. Ver 1Sm 19:24).

O referido comentário também explica que “é possível que tenha saído de seus lábios [de Saul, enquanto profetizava sob a influência do Espírito] não só uma confissão da justiça da causa de Davi, mas também a condenação de seus atos […]”.

2º: Ao Espírito Santo apoderar-se de Saul, ele prosseguiu caminhando até chegar a Ramá (cidade localizada na região montanhosa de Efraim, a cerca de 8km de Jerusalém), onde estavam os demais mensageiros que também profetizavam (1Sm 19:23). Essa capacidade de caminhar e chegar a um local específico nos mostra que, apesar de Saul estar em “transe”, detinha capacidade autônoma, de modo que a presença do Espírito não tirou a individualidade do rei.

3º: O verso 24 do capítulo 19 diz apenas que ele “ficou deitado todo aquele dia e toda aquela noite” e não dá a entender que, para isso, ele tenha “sido jogado no chão” ou tido atitudes excêntricas, do mesmo modo que vários irmãos que alegam estar sobre a influência do Espírito sobre tais circunstâncias.

4º: O Novo Testamento, que mostra a atuação do Espírito de maneira ainda mais clara, nos ensina que a Terceira Pessoa da Trindade não gosta das manifestações pentecostais pós-modernas que envolvem (muitas delas) gritos, barulho, desordem e ações excêntricas. Veja:

a) Efésios 4:30, 31 afirma que o Espírito é entristecido com a gritaria;

b) 1 Coríntios 14:33 ensina que “Deus não é Deus de desordem, mas de paz. Como em todas as congregações dos santos”, ou seja: até mesmo nas igrejas pentecostais Ele quer ser um Deus de ordem e de paz.

c) 1 Coríntios 14:40 mostra que o culto que agrada ao Senhor “deve ser feito com decência e ordem”.

d) Gálatas 5:22, 23 deixa claro que, no momento em que uma pessoa é tomada pelo Espírito, ela revela em sua vida nove qualidades de caráter, entre elas: paz (v. 22), mansidão e domínio próprio(v. 23).

Essas características do caráter do Espírito Santo nos impedem de aceitar que as manifestações em muitos (não todos!) meios pentecostais sejam realmente de origem divina. Se em um culto, mesmo que o nome de Deus seja pronunciado (Conferir Mateus 7:21-23), as pessoas manifestam atitudes e comportamentos diferentes daqueles que o Espírito divino possui, conforme vimos nos textos acima, isso é suficiente para provar-nos que “outro espírito” é quem está por trás de tais fenômenos.

5º: Marcos 9:17 e 18 diz que o espírito que faz as pessoas caírem é o espírito do demônio. Veja que texto forte e, ao mesmo tempo, esclarecedor:

“Um homem, no meio da multidão, respondeu: ‘Mestre, eu te trouxe o meu filho, que está com um espíritoque o impede de falar. Onde quer que o apanhe, joga-o no chão. Ele espuma pela boca, range os dentes e fica rígido. Pedi aos teus discípulos que expulsassem o espírito, mas eles não conseguiram’’

“Mas o fruto do Espírito é… mansidão e domínio próprio” (Gl 5:22, 23)

O Espírito Santo sempre quer erguer o crente e nunca jogá-lo no chão. Veja que, ao Cristo expulsar o demônio do menino (leia Marcos 9:14-29), o Salvador “tomou-o pela mão e o levantou, e ele ficou em pé”(v. 27).

Portanto, não há dúvidas: o “cair no Espírito”, mesmo fazendo parte da vida de muitos cristãos sinceros e verdadeiros filhos de Deus, é uma manifestação demoníaca, com o objetivo de confundir as pessoas e apresentá-las uma imagem distorcida do divino e manso Espírito Santo.

 

O inimigo conhece o grande potencial dos irmãos pentecostais

O inimigo de Deus sabe que muitos amigos pentecostais são candidatos à vida eterna e salvos em Cristo. Tem ciência do quanto o Espírito Santo os usa para relembrar aos demais cristãos sobre a importância dos dons espirituais para a edificação da igreja e conclusão da obra de evangelização mundial.

Por isso, através de manifestações sobrenaturais que dão uma sensação aparentemente agradável aos que são possuídos por tal espírito, o Diabo quer impedi-los de terem uma experiência verdadeira com o Espírito. O inimigo, através de tal contrafação do Espírito, quer impedir que os irmãos aprendam a apreciar um culto tranquilo, racional (Rm 12:1, 2) e que tenha a emoção na medida certa (Fp 4:4), do jeito certo (1Co 14:33, 40).

Muito cuidado, irmãos. Uma das principais obras satânicas nesses últimos dias é contrafazer a obra do Espírito Santo. Ele sabe que o Espírito é o “outro consolador” divino (Jo 14:16), que glorifica a Jesus Cristo e o plano de salvação (Jo 16:14), nos convence “do pecado, da justiça e do juízo” (Jo 16:8), guia-nos a “toda a verdade” (Jo 16:13) e santifica a nossa vida (Rm 6:23). O Diabo sabe que nesse processo de santificação o Espírito nos torna parecidos com Jesus através do novo nascimento (Jo 3:1-8) e “escreve” os princípios morais da Lei de Deus em nosso coração (Hb 8:10).

Por isso, não é do interesse do demônio que as pessoas tenham um conhecimento pleno (e correto) da Pessoa e da Obra do Espírito Santo. Afinal, através de um falso espírito santo, ele pode desencaminhar muitos e levá-los a seguir pelo caminho largo, que leva à perdição (Mt 7:13, 14).

O inimigo não vai atrás de quem já é dele. Por isso, meu irmão pentecostal, se você “cai no espírito”, peça a Deus discernimento e coloque a Revelação bíblica acima dos seus sentimentos. Leia esse artigo com oração e mente disposta (Jr 15:16) a conhecer cada vez mais esse Deus que tanto lhe ama (Jr 31:3). Submeta-se a Ele (Tg 4:7) e preste-Lhe um culto alegre (Fp 4:4) e racional ao mesmo tempo (Rm 12:1, 2), para que sua mente receba todas as verdades que o Espírito Santo quer lhe comunicar para sua felicidade presente e eterna:

“Quer você se volte para a direita quer para a esquerda, uma voz atrás de você lhe dirá: ‘Este é o caminho; siga-o’” (Is 30:21).

Um abraço do amigo e irmão em Cristo,

 

Leandro Quadros

[www.leandroquadros.com.br]

O Dom do Espírito de Deus

Bom dia povo de Deus. O tema de hoje é: “O Dom do Espírito de Deus.”
O Espírito Santo, uma das pessoas da divindade, é concedido ao crente para a salvação e também para se realizar uma obra especial.
O profeta Joel, enunciou o derramamento do Espírito Santo com as seguintes palavras: “E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões. E também sobre os servos e sobre as servas naqueles dias derramarei o meu Espírito.” Joel 2:28-29.
Pedro aplicou esses versos para o que aconteceu no dia de Pentecostes, (Atos 2:16-18). Todavia haverá ainda um derramamento do Espírito de Deus com muito poder no final da história deste mundo. Assim como Deus enviou Seu Espírito no dia de Pentecostes e multidões puderam crer, assim também acontecerá um pouco antes da segunda vinda de Cristo, pois Deus haverá de preparar o mundo para o encontro com Jesus. Multidões se converterão num só dia, pois o Espírito será derramada em grandes proporções.
Veja as palavra de Ellen G. White no livro O Grande Conflito, página 11: “A profecia de Joel recebeu um cumprimento parcial no derramamento do Espírito Santo no dia de Pentecostes. Mas atingirá seu pleno cumprimento na manifestação da graça divina que acompanhará a obra final do evangelho.”
O Espírito de Deus cairá sobre todos os fiéis, independente da idade, gênero ou condição social. Louvado seja Deus porque esse dia está chegando. Tenham todos um ótimo dia.

Fonte: http://www.stina.com.br/

Orar com os outros #oração

orar_grupoNo início da caminhada cristã, eu morria de medo de orar com outros cristãos. Mas não levei muito tempo para notar como me sentia bem quando alguém orava por mim. Assim, orar em grupo se tornou algo vital. Mas não se tratava apenas de orar. À medida que me reunia com outros irmãos na fé, eu via um vínculo se formando entre as pessoas; eu me lembrava de seus nomes de quais eram suas necessidades, e elas das minhas. Orar em conjunto também serve para nos mostrar que Jesus deseja ministrar através de nós. Quando cristãos oram juntos uns pelos outros surgem incontáveis histórias e testemunhos sobre a influência de mudança de vida.

Uma das coisas que acontece quando somos cheios do Espírito Santo e oramos pelos outros é que o Espírito Santo em nós se move por meio de nós e toca as pessoas por quem oramos. Ele é chamado de Consolador porque chega junto às pessoas para trazer consolo e conforto. Quando somos cheios dEle, também temos a habilidade de chegar junto às pessoas para confortá-las e reanima-las.

É importante como nos relacionamos com quem está ao nosso redor. A expressão “uns aos outros” é mencionada várias vezes na Bíblia, e toda vez que aparece, torna-se mais claro que devemos tratar os outros como pessoas importantes e valiosas (cf. Rm 12:10; 15:5,7; 1Coi 12:25; Gl 5:13; 1Ts 5:11; Hb 10:24). Nós agradamos ao Senhor quando desfrutamos da companhia uns dos outros em oração. (Escrito pro Stormie Omartian.)

Ore: “Senhor, ensina-me a ser um forte suporte de oração para os outros. Faz de mim um poderoso guerreiro de oração. Opera milagres na minha vida e na vida daqueles por quem eu oro. Ajuda-me a reconhecer as oportunidades de orar com outros que não enxerguei e a confortar outros do mesmo modo que Tu sempre fazes comigo. Em nome de Jesus, amém!

“Minha Vida de Oração”, o livro do autor deste blog sobre uma vida prática de oração.Peça o seu, aqui.

Fonte: http://novotempo.com/amiltonmenezes/2013/07/29/orar-com-os-outros/

(07 de 08) Como ser feliz em 8 sábados? – Pr. Álvaro Martinho

 Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus. Mateus 5:9

PACIFICADORES BEM AVENTURANÇASChegamos ao penúltimo dia da série Como Ser Feliz em 8 Sábados, e a cada vez percebemos o quanto precisamos entender, estudar e viver o que as escrituras ensinam.

Deus quer que sejamos felizes, e se você não é feliz é porque você não enxergou a felicidade ao teu lado.

Pacificação é uma palavra ativa e não passiva. O verso de hoje nos diz que precisamos promover a paz e não apenas estar em paz.

Hoje o mundo promove passeatas de paz, soltam balões brancos e etc. O mundo assimilou paz à ausência de guerra e etc.

 

1 – Paz – Relacionamento com Deus.

2 – Paz – Entre as pessoas.

3 – Paz – Segurança e confiança eterna em Deus.

Em Efésios 2:1-3 – Que maravilha saber que antes andávamos em pecado e hoje vivemos lutando contra ele. Não seria ótimo se nascêssemos sorrindo ao invés de chorando, afinal, temos muitos motivos para isso.

Veja bem, quando nascemos, ficamos 9 meses no escuro, de cabeça para baixo, balançando por todos os lados, engolindo o alimento que você não pediu e ao sair vemos a luz, as pessoas que nos amam e nos esperavam a tanto tempo.

Então porque choramos quando nascemos?

R: Choramos porque nascemos com a natureza do pecado e ate quando crescemos nos inclinamos para cometer erros que nunca ninguém nos precisou ensinar. Incrível.

O pastor nos contou a história de sua filha, quando num dia chegou em casa com uma bonequinha diferente das que tinha. A mãe perguntou da boneca e a filha disse que havia ganhado de uma coleguinha. Na verdade ela havia pegado da amiguinha sem que ela deixasse.

O pastor e sua esposa foram até a casa da amiguinha para devolvê-la.

Efésios 2:4, 5 – Jesus, Deus por seu Grande Amor e Misericórdia nos deu Vida.

Romanos 5:1 – por meio de Jesus é que passamos a ter paz com Deus.

Quando você conhecer alguém que reclama que não consegue dormir, ao menos que seja por problemas de saúde, é porque não tem paz com Deus. Por isso as crianças dormem em qualquer lugar, você já percebeu isto?

Muitos de nós não tem paz com Deus, mesmo lendo a Bíblia, orando e etc. Precisamos cuidar disso.

Isaías 52:7 – Nos lembrou da igreja de João Colombi, a caçula do distrito. Contou-nos que usa até outro sapato, um sapato velhinho, pois o lugar é íngreme e tem muita poeira. Embora no dia de Sábado tendo um sapato novo e mais bonito para usar, o sapato velhinho e empoeirado é o que tem mais valor para Deus.

Quando convidamos os amigos para vir à igreja, somos mais beneficiados. Isto é evangelizar, é promover paz, paz verdadeira, paz que vem do alto.

Precisamos desfrutar mais de promover paz, pois até os sapatos aprendemos a escolher, até os vizinhos aprendemos a convidar, basta confiar em Deus e ir fundo.

Agora se você só espera paz, então você só fica reclamando, porque só espera do próximo e nada sai de ti. Até o programa do amigo visitante foi estabelecido por pessoas que necessitam mostrar e levar paz ao próximo.

Tem gente especialista em por lenha na fogueira. Começam na cama do lado do cônjuge, na mesa do café, picuinhas, problemas e confusões.

Precisamos tornar nossos lares, um lar de Paz, onde o Senhor possa habitar.

Certa vez uma senhora o disse: “Às vezes, aqui em casa, é melhor eu ficar quieta, se não acontecem guerras.”.

Tem horas que precisamos falar e horas que precisamos nos calar. Isso é promover paz. Precisamos ser agentes de paz e não tocadores de lenha na fogueira.

Hoje de manhã, é possível que haja pessoas que precisam de conciliação. Esposo com esposa, irmão com irmão, amigo com amigo, vizinho com vizinho, enfim, precisamos resolver isto, porque isso é um ponto fundamental para ter paz verdadeira.

Porque pela misericórdia de Deus conseguiremos e se você confia nisso, certamente será bem-aventurado.

Somente seremos filhos verdadeiros de Deus, quando promovermos a Paz, assim como Deus que é um promotor de Paz.

Que Deus lhe dê a Paz que você tanto necessita e que você possa ser Bem-aventurado.

É possível viver uma vida santa?

conversao_thumb1 1Viver em santidade significa separar-se do mundo. Isso não quer dizer  que você terá de fugir para as montanhas, isolar-se e nunca mais falar com incrédulos. Significa que terá de separar seu coração do sistema de valores do mundo e valorizar as coisas que Deus considera mais importantes.

2Viver em santidade significa purificar-se. Purificar-se não é vestir uma túnica branca e cobrir tudo o que não é santo em sua vida. Antes, é pedir para o Deus santo purificar seu coração.

 

3Viver em santidade significa viver no Espírito, e não na carne. Nossos pensamentos carnais podem desqualificar-nos tanto quanto nossas ações. Ore para Deus ajudar você a viver no Espírito, não na carne.

4Viver em santidade significa afastar-se da imoralidade sexual. A maior mentira na qual nossa sociedade acredita é imaginar que o pecado sexual é aceitável. Peça para Deus manter você sexualmente puro na mente e no corpo.

5Viver em santidade significa ser santificado por Jesus. Uma vez que aceitamos a Jesus, não podemos manter nosso antigo estilo de vida pecaminoso. Agora que Cristo vive em nós e o Espírito Santo nos guia e nos transforma, não temos mais desculpas para andar segundo nossos velhos hábitos.

6Viver em santidade significa andar perto de Deus. Só conseguimos ver o Senhor com clareza quando nos esforçamos para caminhar perto dEle em pureza e paz. “Esforcem-se para viver em paz com todos e para serem santos; sem santidade ninguém verá o Senhor” (Hebreus 12:14).

7Viver em santidade significa deixar Deus nos guardar. Santidade é a vontade de Deus para nossa vida, algo que Ele planejou para nós desde o princípio. E Ele é capaz de nos manter santos. Quando nosso coração deseja viver em pureza e fazer aquilo que é certo, Deus nos guarda de cair em pecado.

(Stormie Omartian)

Fonte: http://novotempo.com/amiltonmenezes