Como destruir seu casamento em 16 passos

1 – Parar de dialogar de maneira aberta e sincera

2 – Alimentar a ira e ser sempre egoísta, rude e violento(a).

3 – Nunca perdoar seu cônjuge, por menores que sejam os erros dele.

4 – Passar o maior tempo possível deprimido(a) e com pensamentos negativos.

5 – Convencer seu cônjuge de que os filhos são muito mais importantes para você que ele.

6 – Ser sempre indolente e recusar-se a fazer sua parte nas tarefas de casa ou do trabalho.

7 – Gastar dinheiro com futilidades e sempre assumir dívidas altas.

8 – Adquirir vícios ou hábitos nocivos e defender seu direito de conviver com eles.

9 – Não se importar com as necessidades sexuais de seu cônjuge, desde que você obtenha o que deseja.

10 – Habituar-se a ver filmes, revistas ou propagandas com cenas de sexo explícito e comparar com seu marido (esposa) as imagens e, acima de tudo, mencionar a outras pessoas quem você acha mais atraente.

11 – Ser firme com seu marido (esposa) e recusar-se a dizer: “Desculpe-me”, “Perdoe-me” ou “Você está perdoado(a)”.

12 – Tirar Deus e seu cônjuge da lista de prioridades.

13 – Ameaçar pedir divórcio todas as vezes que surgir um conflito entre vocês.

14 – Ter um relacionamento extraconjugal ou alimentar uma paixão por outra pessoa que não seja seu marido (esposa).

15 – Sair de casa e não tentar reconciliar as diferenças.

16 – Desistir de Deus e recusar-se a acreditar que Ele é um Deus de milagres, com o poder de restaurar o amor e a esperança.

Fonte: http://esperanca.com.br/

Anúncios

O Cinto de Linho – Jeremias 13:1-11

prophet[1] No dia 24 de Março, o dia do Impacto Esperança, tivemos o prazer de ter conosco o Pr. Jair Soares Lima, o presidente da AES (Associação Espírito Santense).

Ele nos trouxe um lindo sermão que nos mostra como é importante estarmos ligados ao Senhor e protegidos nEle.

O texto utilizado foi Jeremias 13:1-11 que fala do Cinto de Linho e dos cuidados que devemos ter com o mesmo.

Neste caso o cinto de linho representa o Povo de Israel naquele tempo, mas que podemos trazer para nossos dias com toda a certeza e aplica-lo de tal forma que parece dizer para nós hoje.

Ao ler o texto você vai perceber que o cinto de linho é primeiramente colocado nos lombos do profeta, mostrando que ali o cinto não vai sofrer nenhum dano, porque está próximo e seguro no seu dono. Depois o sinto é colocado em uma rocha próximo ao rio Eufrates e ao passar de muitos dias o profeta volta para busca-lo e percebe que o cinto estava podre e para nada prestava.

Esta profecia mostra que quando o povo do Senhor encontra-se cheio de soberba e estagnação a tendência é simplesmente apodrecer.

O que não cumpre seus trabalhos como missionário cristão, estará literalmente como no texto, apodrecido.

Muitos estão na igreja apenas alisando banco, é claro que não existem funções para todos na igreja, mas todos nós somos missionários e estamos nesta obra para levar aos confins da terra a promessa de um novo céu e uma nova terra. Ficar sentado no banco, apenas recebendo e muito pouco doando, não vai levar nenhum cristão para o céu.

Porque Deus não envia seus anjos para fazerem este trabalho missionário?

Porque os primeiros beneficiados são os que pregam o evangelho, porque o que tem se mantido na obra, firme recebe bênçãos em dobro, porque O Senhor o usa como uma ferramenta valiosa.

Ser soberbo é simplesmente deixar de servir ao Senhor e fazer a sua própria vontade, por menor que ela seja.

Se você detectou em sua vida algum princípio de soberba, entenda no verso 10 de Jeremias 13 e os passos para mudar a sua vida e viver segundo a vontade do Senhor, ao contrário do que o povo de Israel demonstra neste verso.

1 – Ouvir as palavras de Deus.

2 – Não caminhar segundo a dureza de nosso coração.

3 – Não servir a outros Deuses e isso pode incluir a seu fanatismo por seu programa de tv favorito ou costume favorito e etc.

Deus fez o homem com um vazio no coração, para que o mesmo possa ser totalmente dependendo do Senhor, preenchendo este espaço.

Por isso quando o homem fica longe de Deus, procura outros deuses para preencher este vazio, como: futebol fanático, comida, dinheiro e etc.

Dessa forma, seremos como o cinto podre, que para nada presta onde no Dia do Juízo podemos correr o risco de ouvir de Jesus “Não vos conheço”.

Por isso precisamos ter intimidade com Deus (ler Jeremias 13:11)

Comece de novo, hoje, agora, porque o Senhor vai te esperar, porém não para sempre.

A Máquina de Cortar Grama

O amigo ama em todos os momentos; é um irmão na adversidade. Provérbios 17:17

Há algum tempo o jornal Washington Post publicou a fotografia de um homem idoso com uma longa barba branca encaracolada. Ele usava um chapéu de vaqueiro, que havia comprado no México 15 anos antes, decorado com uma corrente de pesos, a moeda mexicana. Estava sentado numa máquina de cortar grama da marca John Deere 1966.

A história que acompanhou a foto tinha como título: “Uma Máquina de Cortar Grama na Estrada.” Trata-se da história de Alvin Ray Straight, 73 anos, que dirigiu sua máquina de cortar grama de Laurens, Iowa, até Blue River, Wisconsin, um total de 400 quilômetros de distância, a uma velocidade de cinco quilômetros por hora. Straight levou seis semanas para completar o percurso.

Comentaristas de rádio e repórteres passaram um dia ao lado desse sujeito idoso de cabelos grisalhos que percorria lentamente estradas secundárias, plantações de milho e pastos, rebocando um trailer improvisado com uma cama de espuma, algumas cobertas e comida.

Não se tratava de uma comédia, mas de uma história de amor. Straight desejava ver seu irmão, Henry, que tinha sofrido um derrame. O que um homem podia fazer morando a 48 quilômetros de distância da rodoviária mais próxima (e que não confia nos motoristas), numa idade em que já não enxerga muito bem para dirigir um carro, com um irmão de 80 anos de idade e o tempo se esgotando a cada segundo? Straight passou o inverno inteiro “matutando” para descobrir como resolveria o problema. Por fim, decidiu fazer a viagem do seu jeito, com as próprias mãos ao volante.

A primeira máquina de cortar grama que usou durou apenas 50 quilômetros antes de o motor fundir. Voltou guinchado para casa, comprou outra máquina, agora da marca John Deere, e começou tudo de novo. Após quatro dias de viagem, teve que trocar o motor de arranque e o gerador. Depois de rodar 145 quilômetros ficou sem dinheiro. Receberia a aposentadoria apenas dali a duas semanas. Estacionou no acostamento e esperou.

A 50 quilômetros da divisa de Wisconsin, Straight foi obrigado a esperar mais uma semana devido às fortes chuvas. Finalmente, chegou ao trailer do irmão em Blue River. A máquina de cortar grama quebrou e Straight completou os quilômetros finais guinchado por um fazendeiro.

O que fez Alvin Straight percorrer aquela longa estrada em sua máquina de cortar grama barulhenta? Ele disse: “Tinha que ver meu irmão.” Isso me faz lembrar de outro Irmão que não conseguiu ficar em casa.

Fonte: Meditações Diárias 2012 – CPB (Casa Publicadora Brasileira)