5º Dia – Tema: Milagres Reais – #10diasdeoracao

Participação: Pr. Almir Marrone.

Conheça esse projeto:http://www.adventistas.org/pt/mulher/projeto/10-dias-oracao-10-jejum/

Baixe esse e outros materiais: http://downloads.adventistas.org/pt/kits/10-dias-de-oracao-e-10-horas-de-jejum

Prezados irmãos, vivemos tempos emprestados. Hoje, mais que nunca, temos que buscar, como prioridade absoluta e com sentido de urgência, o poder do Senhor em nossa vida e na vida da igreja.
Vamos nos unir em oração fervorosa e constante, somente assim, reavivados pela oração e pela Palavra de Deus, cresceremos no caminho do
discipulado, tendo comunhão com Deus, relacionamento correto com o nosso próximo e total integração para cumprir a missão, experimentar o verdadeiro reavivamento e a reforma de um novo Pentecostes, esperando e apressando o retorno do Senhor.

Destaque

“Inimigo Impotente – Satanás não pode vencer o humilde que aprende de Cristo, aquele que anda, orando, perante o Senhor. Cristo Se interpõe como proteção e refúgio contra os assaltos do maligno. É-nos feita a promessa: “Vindo o inimigo como uma corrente de águas, o Espírito do Senhor arvorará contra ele a Sua bandeira” (Isaías 59:16). […] Não existe, em toda a capacidade satânica, poder algum que incapacite a pessoa que confia, com fé simples, na sabedoria que vem de Deus. (O Cuidado de Deus [MM 1995], p.58)”

Retiro de Carnaval movimenta centenas de pessoas no ES

Vitória, ES… [ASN] Enquanto muitos se preparam para “pular” as festas do Carnaval no próximo fim de semana, centenas de adventistas vão aproveitar o feriadão longe da folia. No Espírito Santo,eles se programaram para retiros espirituais, com palestras, recreação e até festas ao ar livre. Os destinos mais visitados serão o Acampamento Adventista (CATRES), em Guarapari, além de sítios e até lagoa em Santa Tereza e Linhares, interior do Estado.

No bairro de Bento Ferreira, na capital, um grupo de 30 jovens sairá na sexta-feira (13) bem cedo rumo à Guarapari. Na mala, nada de fantasias ou bebidas, eles levarão muita animação e a bíblia para refletir. “ É um momento que escapamos da rotina puxada de trabalho. Buscamos fugir da agitação do Carnaval e aproveitar momentos com àqueles que consideramos nossos irmãos”, afirma o diretor dos jovens na IASD Central de Vitória, Jonas Gravino.

De Goiabeiras, também em Vitória,  rumo a  Santa Teresa, cerca de  110 pessoas sairão na sexta-feira  e retornarão dia 18. Eles participarão de palestras, músicas, brincadeiras, dinâmicas e gincanas. A alimentação será natural e feita no local, através de uma cozinha que será montada.

A jovem Kalila Pires diz estar animada para o retiro e destaca que a opção de lazer também proporciona a fuga da violência, muitas vezes presente nas festas de Carnaval. “ Sempre participo e tenho muita satisfação em trocar este período agitado pela diversão sadia com amigos”, conta.

O interior também não vai ficar de fora. Em Linhares, cerca de 400 pessoas estarão reunidas na Lagoa Juparanã. Além de aproveitarem o clima tranquilo, com praia de água doce e areia branquinha, os acampantes participarão de palestras e debates sobre família, jovens e atualidades, além de músicas e recreação.  [Equipe ASN, Ayanne Karoline]

Fonte: http://noticias.adventistas.org/

A que tipo de comida e bebida refere-se Colossenses 2:16?

“Ninguém, pois, vos julgue por causa de comida e bebida…” (Cl 2:16 – primeira parte).

As palavras gregas usadas aqui, brósis e pósis[i], se referem mais à maneira de comer e beber que ao que se bebe e se come.

Há várias interpretações quanto ao significado desta frase. Alguns sugerem que se refere a alimentos e libações apresentados como parte do sistema cerimonial judaico. Outros, notando o contexto da epístola, pensam que tem que ver com instruções ou proibições ensinadas pelos falsos mestres, judaizantes ou gnósticos.

Alguns, equivocadamente, têm chegado à conclusão de que esta afirmação de Paulo indica a abolição da distinção entre carnes imundas e limpas (Lv 11), pelo qual um cristão estaria livre para comer qualquer carne. Que Paulo não disse tal coisa se pode ver pelo seguinte:

  • Esta passagem nem sequer menciona o tema de alimentos limpos e imundos. Se bem que se fala de não tocar, não provar (v. 21), não há menção alguma de carnes imundas.
  • A distinção entre carnes limpas e imundas (Lv 11) não é parte da lei mosaica. Ela aparece em Gn 7: 2. Sem bem que as razões da proibição de comer certas carnes não são claramente dadas, sabemos que a complacência do apetite quando se comem alimentos impuros frustra os perfeitos desígnios do Criador. O apóstolo não estava autorizando aos cristãos de Colossos a comer e a beber todo tipo de alimento, sem descriminação. O que lhes disse é que não prestem atenção a quem os critica por não cumprir com regulamentos humanos – que já eram de origem judia, gnóstica ou pagã – que o cristão não necessita observar.

 [i] Comentário Bíblico Adventista do 7o Dia, vol. 7 Fundamentos de La Esperanza

Fonte: http://esperanca.com.br/

Músicos opinam em Pinga-Fogo

É possível organizar um ministério de louvor sem perder a identidade adventista?

Papo sobre música rende. Primeiro, porque todos gostam, embora, “ajustar” o tom seja sempre um desafio. Quem nos faz rir sobre o tema é o músico e ator brasileiro Dorival Caymmi, cuja paráfrase é: “quem não gosta de ´música´, bom sujeito não é”.

Segundo, saber o que pensam os músicos, pode render bom “ibope”. Durante a produção de textos noticiosos (Encontro de Músicos do Unasp ganha projeção internacional e Músicos travam diálogo sobre inovação) ouvi muita coisa. Por isso, resolvi fazer um “pinga-fogo” de trechos selecionados, aberto a participação do público.

O que atrai um repórter é a notícia. De bloco ou smartphone na mão, ele vai atrás da caça, com astúcia e objetividade. Quando se trata de músicos, a tarefa se agiganta, pois, em sua grande maioria são tímidos, todavia, compenetrados naquilo que mais gostam de fazer: música.

Contudo, quando ganham a confiança, eles falam, abrem-se, questionam, e nos levam a refletir no poder, encanto e missão da rainha das artes. Na “roda de papo” de hoje, participam Daniel Salles[1], Eduardo Batista[2], Ariney Oliveira[3], Gilberto Theiss[4] e Herbert Cleber[5].

Começa o “Pinga-Fogo”

Como moderador, inicio com a primeira pergunta: “É possível organizar um ministério de louvor sem perder a identidade adventista?

Eduardo Batista: “Sim. A identidade adventista existe por conta da singularidade da mensagem bíblica do santuário, do sábado e do grande conflito. Dessa forma, a mensagem cantada deve ser contextualizada, sem contudo, perder as marcas distintivas que a Igreja Adventista prega e defende”.

Moderador: Isto é “intencionalidade” na ministração do louvor?

Gilberto Theiss: “Perfeito. O louvor deve ser intencional porque Deus é o centro da adoração. Intencionalidade atribui significado e valor, portanto, ter intencionalidade é questão primordial no culto de adoração”

Daniel Salles: “Por isso, o ministro de música deve ter formação acadêmica, com habilidades e competências musicais. Além disso, é necessário ter conhecimento teológico, domínio da Bíblia e consagração pessoal para que a intencionalidade seja marcante”.

Capacitação: o que fazer?

Moderador: Fala-se em preparo acadêmico. Então, como fazer em igreja de poucos recursos?

Ariney Oliveira: “Nunca se deve dizer `minha igreja é pequena e não tem condições´. Se você pensa assim, ela sempre será assim. A igreja será aquilo que faço dela”.

Daniel Salles: “Congregações grandes ou pequenas, todas precisam buscar informação. Nas editoras cristãs há livros que orientam como organizar um ministério de louvor. Existem também na Internet programas que ensinam tocar, reger e até compor”.

Ariney Oliveira: “A ´Academia de Louvor‘ é isso. Você entra na Internet e clica no programa de treinamento que mais você necessita. Neste site você treinar toda igreja. É simples e prático”.

Herbert Cleber: “Este assunto é relevante. Treinar diretores, ministros de louvor, regentes e instrumentistas é importante. Mas a congregação também precisa ser instruída sobre a adoração. A visão de Deus deve impactar a vida do adorador”.

Moderador: Treinar a congregação. Parece-me ser um assunto importante…

Gilberto Theiss: “O ato de adorar não termina quando o louvor cessa. Na verdade, o ápice da adoração acontece quando há entrega plena, quando a Palavra é exposta e quando Deus fala. Assim, o ministério de música organizado, despojado dos interesses e sob guia do Espírito Santo fará toda diferença e será uma bênção”.

É hora dos jovens

Moderador: Qual o papel dos jovens neste contexto de diversidade cultural?

Eduardo Batista: “Já que é “pinga-fogo”, então, os jovens devem (1) escolher com discernimento. (2) Ministrar à diversidade. (3) Ser intencional com foco na missão. (4) Aconselhar-se com os pastores e líderes. E, finalmente, (5) ter visão 360 graus sem perder a identidade.

Herbert Cleber: “Ao tocar seu instrumento ou liderar o vocal pense na diversidade. A música é um elemento agregador dentro da adoração. Por isso, planeje, ore e ministre sob guia do Espírito para alcançar aqueles que ainda não têm uma experiência com Cristo”.

Gilberto Theiss: “Cito Horton Davies: ´A adoração é a alegre resposta que os cristãos dão ao amor santo e redentor de Deus[6]´. Desta forma, a adoração, é antes de tudo, um estilo de vida, mais do que um ritual de culto”.

Últimas palavras…

Eduardo Batista: “Na igreja, música e evangelismo têm que andar de mãos dadas”.

Herbert Cleber: “Ao capacitar os líderes, inclua os músicos”.

Ariney Oliveira: “Só há um caminho para adoração: Deus, o Criador e Redentor”.

Daniel Salles: “Busque saber mais: mais de Cristo, mais da Palavra, mais do louvor”.

Gilberto Theiss: “A única maneira segura de nos livrar da falsa adoração é esvaziar-se do próprio ´eu´”.

Agora, você com a palavra! Opine.

[1] Daniel Salles (Curitiba, PR), compositor e ministro de música do Espaço Novo Tempo.

[2] Eduardo Batista (Belém, PA), líder do ministério de música da Região Norte do Brasil.

[3] Ariney Oliveira (Orlando, Florida, EUA), compositor, produtor e criador do site “Academia de Louvor”.

[4] Gilberto Theiss (Itapajé, CE), pastor, autor de 14 livros e moderador do blogwww.gilbertotheiss.blogspot.com.

[5] Herbert Cleber (Salvador, BA), líder do ministério de música para os Estados da Bahia e Sergipe.

[6] DAVIES, H. Christian Worship: Its History and meaning. Nashville: Abingdon, 1957, p. 105.

Fonte: http://noticias.adventistas.org/

50 mil orações respondidas

George Muller (foto) foi um homem de oração. Construiu vários orfanatos e sustentou milhares de órfãos sem pedir nada para ninguém. Apenas para Deus. Tinha calos nos joelhos. Leu a Bíblia mais de 100 vezes.

Anos atrás li um dos muitos livros que contam relatos impressionantes de respostas às orações. O título já é sugestivo: “50 mil orações respondidas”. Muller registrava, como um cuidadoso contabilista, o dia do pedido e a data da resposta recebida de Deus.

Todo esse ministério de serviço voluntário foi desenvolvido na Inglaterra, porém Muller nasceu na Prússia, em 1805. Convertido, depois de anos de devassidão e pecado, mereceria um lugar na galeria dos homens da fé, em Hebreus 11.

Entre tanta coisa que existe sobre a vida deste homem de Deus (eu sou um fã dele e já vivi algumas experiências parecidas – ah, também nascemos no mesmo dia, 27 de setembro), deixou cinco condições para uma oração eficaz:

1 – Plena dependência nos méritos e mediação do Senhor Jesus Cristo – a única base do recebimento das bênçãos de Deus.

2 – Separação de todo pecado conhecido; se atentarmos à iniqüidade nos nossos corações, o Senhor não nos ouvirá, pois tal seria aprovar o pecado.

3 – A fé na Palavra de Deus, confirmada pelo seu juramento; não crer nEle, seria fazê-lo mentiroso e perjuro.

4 – Pedir segundo a vontade de Deus; precisamos ter motivos puros, não apenas buscar alguma coisa de Deus para despendê-la nas nossas cobiças.

5 – A insistência em suplicar, esperando em Deus e por Ele, como o lavrador espera o precioso fruto da terra.

George Muller praticava continuamente a oração intercessora. Orava pelos amigos, pelos não convertidos, por aqueles que estavam distantes do Senhor. Certa feita orou pela conversão dos  três filhos de um amigo. Depois de 10 anos o primeiro converteu-se. Continuou orando pelos outros dois. Quase dez anos depois o segundo aceitou Jesus. Persistiu orando pelo terceiro. Este se converteu pouco tempo depois da morte de Muller.

E você? Tem feito da oração a “respiração da alma”? Escolha três amigos (ou inimigos!) e comece a orar por eles. Aliás, tem um projeto novo começando na internet chamado Oro Por Você. Uma agenda virtual de oração onde você pode registrar seus pedidos, agradecimentos, orar pelos outros e receber orações.

Siga aí as dicas de George Muller. Mantenha sintonia constante com o Rei do Universo. Ele tem prazer em responder!
(Amilton Menezes)

Fonte: http://oroporvoce.com/blog

Neurose. O que é isso?

Acho a palavra “neurose” antipática. Mas é científica. Ela foi criada em 1787 por William Cullen, químico e psiquiatra britânico, e vem do grego “neuron” (nervo) e “osis” (condição doente ou anormal). Sinônimos para neurose são “psiconeurose” e “distúrbio neurótico”, que são transtornos mentais que não interferem com o pensamento racional ou com a capacidade da pessoa funcionar na sociedade, como trabalhar, casar, estudar, etc. Atualmente se utiliza o termo “transtorno neurótico” e não “neurose”.

A origem do transtorno neurótico é emocional, psicológica ou psíquica, ou seja, não se encontra alterações físicas cerebrais para ele, e a causa tem que ver com tensões internas, conflitos mal resolvidos, traumas psicológicos inconscientizados, dificuldade ou incapacidade da pessoa resolver conflitos pessoais de modo satisfatório.

Tensões emocionais ou psicológicas podem mesmo afetar o físico, sendo as chamadas doenças psicossomáticas, que afetam o corpo mas que têm origem na mente. Estas tensões atingem a pessoa no chamado “órgão de choque” dela, que para cada indivíduo pode ser um órgão diferente. Uns podem ter manifestações emocionais descarregadas no estômago, outras na pele, ou no sistema imune dando doenças autoimunes (o corpo ataca a si mesmo), etc.

Neurose é um exagero da resposta emocional diante de conflitos. Por exemplo: a fobia é um transtorno da esfera neurótica. Fobia é o deslocamento da ansiedade para um ponto em que a pessoa consegue algum controle sobre sua dor emocional (medo, tristeza, ansiedade, culpa, vergonha, etc.). A pessoa com algum tipo de fobia tem conflitos mal resolvidos em seu psiquismo (mente) os quais podem estar inconscientes. Estes conflitos podem ser muito difíceis de serem conscientizados, porque podem causar muita dor, tristeza, ansiedade, então a mente dela “decide” jogar a(s) causa(s) real deles, para debaixo do tapete da consciência. Só que o problema existe e não foi resolvido. Daí surge a fobia. Num exemplo de uma pessoa com fobia de altura, é como se seu inconsciente dissesse: “Eu prefiro lidar com este medo (fobia) de altura, do que encarar o conflito doloroso dentro de mim!”

A neurose é um encolhimento do ser para preservar uma parte do ser. Ou seja, a pessoa se sente acuada dentro de si mesma, talvez desde a infância, diante de conflitos que para ela foram pesados, e foi perdendo a capacidade de ser mais plena. Não há ninguém que seja cem por cento normal mentalmente. Todos nós temos necessidade de ajustes em nossa maneira de ser. Os mais impulsivos, precisariam aprender a ter autocontrole. Os mais passivos, precisariam a aprender a agir. Mas cada um tende a ficar na zona de conforto pessoal, porque não é fácil mudar.

Podemos canalizar nossos conflitos neuróticos para ações até úteis na sociedade, como para a arte, a música, a literatura, dons comerciais e empresariais, talentos domésticos, etc. Mas quando o transtorno neurótico é mais grave, ele é mais limitante para o indivíduo, que viverá uma vida mais vazia de sentido, mais egocêntrica, mais medrosa, mais recolhido, mais defensivo, menos altruísta.

Quanto mais saudáveis mentalmente, mais seremos úteis para ajudar as pessoas com um espírito voluntário, teremos atitudes de ajuda ao próximo, teremos mente aberta, sentindo que temos uma contribuição a dar para ajudar a aliviar o sofrimento das pessoas, qualquer pessoa, e produzir justiça e misericórdia.

Sabedoria da Bíblia:
-E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes. Marcos 12:31
– Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós. 1 Pedro 5:7

– Esforçai-vos, e animai-vos; não temais, nem vos espanteis diante deles; porque o Senhor teu Deus é o que vai contigo; não te deixará nem te desamparará. Deuteronômio 31:6

Dr.Cesar Vasconcellos
Leia Mais: http://www.portalnatural.com.br/saude-mental/saude-da-mente/neurotico-eu/#ixzz3FNYqm3lu

Fonte: http://esperanca.com.br

DEUS SALVA A TODOS? – Isaías 41-44

Começamos aqui uma seção muito bonita do livro de Isaías. Nela vamos começar a ler sobre o ministério efetuado por Jesus para nos salvar deste mundo de pecado.Os quatro capítulos de hoje falam bastante sobre todo o trabalho redentivo de Deus.
Veja Isaías 42. Ao mesmo tempo em que o Senhor prova Sua grandeza, não se intimida em tornar-se um servo sofredor. Neste capítulo, o lindo Cântico de Louvor Pela Salvação do Povo é seguido de um lamento sobre a cegueira de Israel. Tal texto é um poema que arma o preparo para a reflexão apresentada por Isaías 43: Somente Deus pode ser o resgatador
Só Ele pôde resgatar Israel Antigo. Só Ele pode resgatar o Israel moderno: nós, o Seu povo. É pela misericórdia do Senhor que podemos obter nossa libertação do jugo da Babilônia. E essa promessa de livramento (também no capítulo 44) é condicional ao nosso firme posicionamento de não cairmos na loucura da idolatria e de mantermos Deus como o único Senhor da nossa vida.
Tudo isso pode ser resumido em uma só palavra “salvação”. Salvação? Sim! De ficar condenado a viver apenas uns 80 anos nesse mundo sofrido e pronto. Salvação para viver, eternamente, num mundo sem sofrimento. Salvação? Sim! Para as pessoas. Que pessoas? Vou dar esta resposta contando-lhe uma história.
Certa vez, numa campanha evangelística, o pregador parou a palestra e pediu que cada um dos que estavam naquele auditório desse testemunho o seu testemunho pessoal de fé, conversando com a pessoa que estivesse sentada ao lado. Quase na última fileira, havia um garoto. Ele virou-se para um senhor que estava ao seu lado e perguntou: “Senhor, você reconhece a Jesus como o seu Salvador pessoal?”. Um pouco indignado, o homem olhou para o menino e disse: “Meu filho, eu sou diácono ordenado!”. Então, com toda a inocência do mundo, a criança respondeu, “Mas, senhor, isso não importa. Deus pode salvar qualquer um” (Fonte: Bailey Smith, Real Evangelism).
Que teologia profunda, em um ocorrido tão simples (mas tão importante!) da vida: Deus pode salvar a qualquer pessoa? Poder Ele pode. Mas… será que Ele salva? A resposta a este questionamento está espelhada na leitura de hoje. A salvação é para todos? Como um presente “oferecido”, sim. Agora, como um presente “recebido”, infelizmente, não. Porque muitos rejeitam. Então, Deus salva a todos? Depende. Deus oferece a salvação a todas as pessoas. Todavia, esta oferta não é recebida por todas as pessoas. Que triste, não é mesmo?
Por fim, o que mais interessa é a pergunta: “Deus salva a você?”. Depende. A resposta está na sua atitude. Pense nisso.

Responsável Pelo Meu Irmão

Então o Senhor perguntou a Caim: “Onde está seu irmão Abel?” Respondeu ele: “Não sei; sou eu o responsável por meu irmão?”  Gênesis 4:9 NVI

ImagemUm dos mais trágicos sinais dos tempos é o insensível desrespeito pela vida humana. Homens e mulheres se preocupam apenas consigo mesmos. Pisam sobre os outros, procurando “levar vantagem” não importa a que custo. Crimes violentos – assaltos, assassinatos, estupros – proliferam. Muitas cidades estão se tornando modernas selvas, onde a anarquia e a força bruta imperam.

A vida no mundo é como uma pirâmide. Quanto mais alto uma pessoa sobe, menos pessoas estão acima dela. Portanto alguns lutam e se esforçam, subindo sobre os outros, a fim de estarem acima dos demais.

Cristo Jesus, no entanto, inverte a pirâmide. Seu sistema de valores é completamente oposto ao sistema do mundo. No reino de Jesus vivemos não para subir sobre os outros, mas para sustentá-los nos ombros. “Não será assim entre vocês. Ao contrário, quem quiser tornar-se importante entre vocês deverá ser servo, e quem quiser ser o primeiro deverá ser escravo; como o Filho do homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos” (Mateus 20:26-28). E assim no ápice desta pirâmide invertida encontramos um homem, Jesus Cristo. Ao invés de impor Seu Senhorio sobre nós, Ele está carregando toda a raça humana sobre seus ombros, levando nossos seus pecados na cruz da redenção.

Sou eu responsável pelo meu irmão? A desculpa insolente de Caim é respondida por Jesus: Sim, Caim, você é responsável por seu irmão. Assim como eu fiz a humanidade de “um só homem” (Atos 17:26 NTLH) e assim como eu morri por todos como o novo Adão (Romanos 5:12-21), de igual maneira todos agora são um em Mim.

Porque Jesus morreu por cada pessoa, cada Abel é nosso irmão e somos responsáveis por seu bem estar.

Fonte: http://www.esperanca.com.br/espiritualidade/reflexoes/jesus-2/responsavel-pelo-meu-irmao/