“Babilônia”, a nova confusão da Globo

Beijo gay no primeiro capítulo. Mas já?

“Beijo na boca entre duas senhoras, duas cenas de sexo casual, golpe do baú, réveillon em Paris, traição, menina ingênua enganada por homem casado, gravidez indesejada, exploração na fila do transplante, duas chantagens, um atropelamento, um assassinato. Em outros tempos, essas situações poderiam ocorrer ao longo de uma novela inteira. Nos dias de hoje, em que é preciso dar choques elétricos no espectador a cada minuto, não há tempo para enrolação, ao menos no capítulo de estreia. ‘Babilônia’ pegou o espectador pelo colarinho e o sacudiu por mais de uma hora com essa saraivada de situações. Foi atordoante. Tudo aconteceu em sequência, com impressionante agilidade. Gilberto Braga, Ricardo Linhares e João Ximenes Braga fizeram o possível e o impossível para manter o público de olhos abertos nesse primeiro capítulo.

“Duas vilãs em estado bruto foram apresentadas e duelaram em cena – Beatriz (Gloria Pires) e Inês (Adriana Esteves). Idem para a mocinha pobre e ingênua, Regina (Camila Pitanga), que caiu na conversa de um homem casado, Luis (Gabriel Braga Nunes), e engravidou no primeiro encontro. Teresa (Fernanda Montenegro) e Estela (Nathalia Timberg) se beijaram logo no início do primeiro capítulo, transformando a questão do ‘beijo gay’ em fato consumado. Como em ‘Vale Tudo’, também de Gilberto Braga, o personagem de Cassio Gabus Mendes, Evandro, caiu na conversa da personagem de Gloria Pires.

“A supervilã Beatriz não apenas armou o golpe do baú em poucas cenas, como também matou o motorista do futuro marido, Cristovão (Val Perré), que a estava chantageando, e ainda deu um jeito de culpar Inês, a segunda vilã da história, que também está tentando arrancar dinheiro dela.”

Esse é o resumo de Maurício Stycer (publicado no UOL) do primeiro capítulo do novo folhetim de uma das emissoras de TV que mais contribui para a disseminação da baixaria em nosso país. Durante alguns meses, todas as noites, adultos e crianças terão contato com esse tipo de conteúdo. Note que o próprio Stycer reconhece que o povo já está meio que amortecido depois de contemplar nas telas tanta perversão, distorção de valores e pouca-vergonha. Os produtores de novelas, filmes e seriados precisam apelar cada vez mais, se quiserem manter a atenção dos telespectadores que eles mesmo ajudaram a dessensibilizar. Assim, se antes era necessário valer-se de inúmeros capítulos como preparação para um beijo gay no final da novela, agora já começam com isso, e a aceitação é absoluta. Dá-lhe “instinto de rebanho”!

Aliás, veja só o que o deputado militante gay Jean Wyllys escreveu eu seu Twitter: “O choro é livre, reacionários e fundamentalistas e fascistas e homofóbicos. Eu vivi pra ver! Parabéns.”

Agora quem não considera apropriadas as cenas exibidas na TV, em horário nobre, não pode nem se manifestar. Do contrário, corre o risco de ser considerado “reacionário”, “fundamentalista”, “fascista” (!) e “homofóbico”. Aliás, o ex-candidato à presidência da República Levy Fidelix foi condenado a pagar 1 milhão de reais a movimentos LGBT, acusado de homofobia (confira). Por quê? Por ter feito as seguintes declarações: “Dois iguais não fazem filho” e “Aparelho excretor não reproduz”. Tem algo de errado nisso? Biologicamente falando, as frases estão corretíssimas. Se Fidelix foi condenado por falar obviedades, por que não foram condenados os militantes gays que profanaram símbolos religiosos em público (confira aqui e aqui)? O Código Penal Brasileiro, em seu artigo 208, traz o seguinte: “Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso: Pena – detenção, de um mês a um ano, ou multa. Parágrafo único: Se há emprego de violência, a pena é aumentada em um terço, sem prejuízo da correspondente à violência.”

Quanta justiça…

Sophie será uma prostituta de luxo.

Bem, voltemos à novela da Globo. Uma das vilãs será interpretada por Gloria Pires: Beatriz é uma ninfomaníaca que se livra dos homens depois de ter relação sexual com eles. Bruno Gagliasso vai encarnar um cafetão e transformar a personagem de Sophie Charlotte em uma prostituta de luxo. Deborah Evelyn dará vida a uma mulher totalmente desequilibrada capaz de tudo para atingir seus objetivos. Cássio Gabus Mendes será um milionário que adora fazer maldades. Marcos Palmeira vai viver um político corrupto.

Ontem li o capítulo 2 da primeira carta de Paulo aos Coríntios, e me deparei mais uma vez com o versículo que diz: “Nós, porém, temos a mente de Cristo.” Esse “porém” contrasta a “mente espiritual” com a descrição anterior de uma mente secularizada, não espiritual. Sinceramente, não sei como alguém que perde tempo diariamente com um tipo de conteúdo como esse veiculado em “Babilônia” pode ter a “mente de Cristo”. Para ter a mente de Cristo é preciso ter Cristo na mente. O dia a dia já é tão corrido que se torna um desafio encontrar tempo para a leitura da Bíblia e para a oração. Como, então, desperdiçar uma hora todos os dias para assistir à promoção de “valores” que atentam contra os princípios cristãos? Que tipo de conteúdo vai povoar seus pensamentos? E escolha é sua, evidentemente

A palavra “Babilônia” significa “portal dos deuses”. Para os judeus, o termo vem do hebraico antigo babel (בבל), que significa “confusão” (“grande confusão”, segundo o Dicionário Michaelis). Babilônia foi a capital da antiga Suméria e Acádia, na Mesopotâmia. E no Apocalipse (cap. 17) é utilizada para simbolizar a prostituição espiritual, a confusão doutrinária e a oposição às verdades divinas.

De certa forma, confusão, prostituição e deboche das verdades bíblicas serão exatamente o conteúdo que milhões de brasileiros contemplarão todos os dias, por alguns meses, a partir desta semana. [MB]

Em tempo: Continua ativa no site da Câmara dos Deputados a enquete: “Você concorda com a definição de família como núcleo formado a partir da união entre homem e mulher, prevista no projeto que cria o Estatuto da Família?” Não deixe de votar! Clique aqui.

Fonte: http://www.criacionismo.com.br

6º Dia – Tema: Perseverança Espiritual – #10diasdeoracao

oracao6-10dias-oracao-950x535Comece o dia com oração – Que seja dedicado tempo, cada manhã, para começar o trabalho com oração. Não pense que isso é uma perda de tempo, pois é algo que perdurará através de séculos eternos. Dessa forma, o êxito e a vitória espiritual serão assegurados. Tudo irá responder ao toque das mãos do Mestre. É claro que as bênçãos de Deus devem ser reivindicadas, mas o trabalho
não pode ser feito corretamente, a menos que o começo seja correto. (Testemunhos Para a Igreja, v. 7, p. 194.)
Oremos hoje também pelas crianças que tanto carecem por proteção nesse mundo tão conturbado e violento!

Destaque

Comece o dia com oração – Que seja dedicado tempo, cada manhã, para começar o trabalho com oração. Não pense que isso é uma perda de tempo, pois é algo que perdurará através de séculos eternos. Dessa forma, o êxito e a vitória espiritual serão assegurados. Tudo irá responder ao toque das mãos do Mestre. É claro que as bênçãos de Deus devem ser reinvindicadas, mas o trabalho não pode ser feito corretamente, a menos que o começo seja correto. (Testemunhos Para a Igreja, v. 7, p. 194.)
Em seguir a Cristo e olhar para Aquele que Autor e Consumador de nossa fé, vocês sentirão que estão trabalhando sob Seu olhar, que são influenciados por Sua presença e que Ele conhece os seus motivos. A cada passo perguntarão humildemente: “Isso agradará a Jesus? Glorificará a Deus?” De manhã e a noite as suas orações fervorosas ascenderão a Deus em busca de Sua bênção e guia. A verdadeira oração se apega à Onipotência e nos dá a vitória.
Sobre os joelhos, os cristãos obtém forças para resistir à tentação. (Ibid., v. 4, p. 615, 616)

Fuja da confusão! Pesquise antes de compartilhar

São Paulo, SP… [ASN] Desde crianças somos ensinados por historinhas infantis e contos a ter vigilância epistêmica, um termo que significa vigiar se o que está sendo dito é realmente verdade. É uma pena que somos muito vigilantes para certas coisas e não temos qualquer vigilância para outros. É o caso do vídeo abaixo. Ele tem sido espalhado pelas redes sociais e smartphones com um conteúdo alarmista e mentiroso. Graças ao Whatsapp, por onde o vídeo começou a ser divulgado, não é possível qualquer rastreio de quem foi o primeiro a disponibilizar o tal vídeo. O sistema do Whatsapp opera sem uma central de interação de dados, um sistema parecido com o “peer-to-peer” (par-a-par ou p2p) que popularizou arquivos distribuídos pela internet que não são rastreáveis até o autor. Não saberemos ao certo quem foi que com tão “má fé” criou legendas falsas para um discurso do Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, às Nações Unidas sobre paz.

Sim, o tema tratado no discurso é a busca da paz e resolução dos atuais conflitos.

O que o presidente norte-americano realmente disse foi:

Sr. Presidente, sr secretário geral, (..) delegados, senhoras e senhores.
É uma grande honra pra mim estar aqui hoje. Eu gostaria de falar com vocês sobre um assunto que é o coração das Nações Unidas.
O (..) da paz em um mundo imperfeito.
Um conflito tem estado conosco desde o começo das civilizações, mas na primeira parte do século XXI os avanços das (armas modernas elevaram a morte a uma nova escala).
Foi esta matança que (..) os fundadores deste corpo a construir uma instituição que fosse focada não apenas no fim de uma guerra, mas (..) em outras.
A união dos estados (..) que buscam (..) conflitos estão também aderindo as suas causas.
Nenhum americano entendia melhor esse assunto do que o presidente Franklin Roosevelt, ele sabia que uma vitória na guerra não era suficiente. Assim como ele disse em uma das primeiras reuniões da fundação das nações unidas: “nós temos que fazer não meramente a paz, mas uma paz que vá durar.”
Os homens e mulheres que construíram essa instituição, entenderam que a paz é mais do que a ausência de guerra. Uma paz que dure, permanece e (..) , depende de um senso de justiça e oportunidade, de dignidade, e liberdade.
Isto depende de (força) e sacrifício e (comprometimento com a humanidade).
Uma delegada da conferencia de São Francisco, que participou da criação das nações unidas falou bem: “muitas pessoas – ela disse – tem falado como se tudo o que é preciso para ter paz é dizer em voz alta que amamos a paz e odiamos a guerra.”
Agora aprendemos que não importa o quanto amamos a paz e odiamos a guerra, não podemos evitar a guerra sobre nós se há (conflitos) em outras partes do mundo.
Com nossas esperanças e não com nossos medos, juntos podemos fazer a paz, mas uma paz, mais importante, que irá durar!
Muito obrigado”.
Tradução: Pr. Cláudio Leal

O vídeo é verdadeiro e legítimo, o que não pode ser dito de suas legendas. Estas foram completamente alteradas e falsificadas. Muitos que tem o conhecimento da língua inglesa prontamente detectaram o absurdo da falsificação. Outros, entretanto, pelo desconhecimento do idioma ficaram reféns de duas coisas. Das falsas legendas e de suas convicções de fé.

Este artigo tem o objetivo primário de alertar contra essa mentira e desmascarar o vídeo acima. Mas também pretende aproveitar a ocasião e tirar 3 lições do acontecido.

1 – Não acredite em tudo que encontra na Internet – Sempre confira as fontes, origens e busque a opinião de outras pessoas, de preferência com mente questionadora, a possibilidade de tais fatos serem reais. Uma dica preciosa, no caso de vídeos e fotos, é possível entrar no “Google Imagens” e fazer uma busca pela foto ou printscreen do vídeo, para encontrar a notícia original sobre o tema. (Veja foto ilustrativa).

Outra dica é conferir sempre o site e-farsas.com para verificar se uma história é real. Em se tratando de temas religiosos é possível que eles não tenham a resposta, mas para os outros boatos estão sempre atentos.

2 – Tenha vigilância epistêmica – Paulo nos ensina um principio muito importante dessa vigilância ao citar os Bereanos. Em Atos 17:11 ele fala o seguinte deles: “Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim”. Ele chama os Bereanos de “mais nobres” porque conferiam se o que próprio Paulo dizia era verdade e estava nas escrituras. Por isso, não sejamos apenas prudentes com a internet, mas em tudo sejamos conferidores da verdade e estudiosos. Isso fará de nós mais do que um povo alarmista, um povo nobre. Esse é um principio bíblico formidável para nossa vida.

3 – Não confie em suas convicções pessoais, mas na Palavra de Deus – Infelizmente nos últimos anos com o aumento da capacidade comunicativa do ser humano uma enxurrada de informações falsas e teorias conspiratórias tem invadido nossas casas. Desde as mais absurdas teorias e estórias, e muitas delas apoiadas por uma cultura do Apocalipse que não condiz com o jeito bíblico de entender as profecias. Gostaria de aproveitar e dar algumas dicas rápidas para percebermos que precisamos estudar muito mais esses temas em vez de apenas repetir o que aprendemos a anos atrás da boca de outros, sem usar o principio dos Bereanos.

Por exemplo, as profecias bíblicas não devem ser vistas como uma fotografia do futuro. Toda vez que achamos que, por causa da compreensão profética, estamos “adivinhando” o futuro ou prevendo quando e como as coisas vão acontecer, violamos o princípio bíblico. As profecias não foram feitas para que o seu “como” e “quando” fossem compreendidos antes dos acontecimentos, mas depois dos acontecimentos. Elas não servem para prever o futuro, mas para mostrar que Deus é quem está no comando e a frente da história. Por isso elas sempre são compreendidas completamente DEPOIS que acontecem, olhem para a Bíblia e para nossa história e vejam que sempre foi assim.

No entanto, embora as profecias não nos mostrem “como” e “quando” em detalhes, elas nos dizem “o quê” está para acontecer. Dando um exemplo rápido, sabia-se muito antes de nascer que o Messias nasceria em Belém, isso é o “o quê”. Sabia-se que Ele salvaria o mundo. Mas não se sabia nem “quando” e nem “como”, mesmo havendo uma profecia de dias (Daniel 9) falando da data de sua morte e batismo. Só fomos entender isso depois que aconteceu. O “o quê” já é mais do que suficiente para sabermos, já nos dá o que precisamos para nos preparar. O “como” e o “quando” é pura curiosidade, irrelevante, e só serve para nos confundir antes da hora. Os fariseus, por exemplo, sabiam de muitas das profecias sobre o Messias, mas tinham imaginado tanto “como” seria, que “quando” aconteceu não perceberam “o que” era.

Então fica a grande dica, não tente preencher as lacunas da profecia com fatos, matérias de jornais, vídeos do Youtube ou conspirações. Procure na Palavra, pois tudo o que você precisa estará lá. [Equipe ASN, Diego Ignacio Barreto, Dep. de Liberdade Religiosa e Comunicação da APS]

Fonte: http://noticias.adventistas.org/

Horário de Verão termina no próximo domingo

Devido ao Carnaval, este ano, o atraso dos relógios foi adiado por uma semana

O horário de verão 2014/2015 que teve início no terceiro domingo de outubro de 2014, termina em 22 de fevereiro, data em que os relógios terão de ser atrasados nas regiões que aderiram à medida.

A data estipulada para o encerramento do horário de verão é sempre o terceiro domingo de fevereiro, mas nos casos em que coincide com o carnaval é adiado para o próximo final de semana, como acontece em 2015 em que o carnaval será celebrado no dia 17 de fevereiro.

O principal objetivo da mudança é a economia de energia. De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico, com uma hora a mais de luz natural no período, a expectativa é de que a demanda no horário de pico diminua 2.595 MW – uma redução que varia de 4,5% a 5% das cargas totais dos subsistemas. A economia prevista é de e aproximadamente R$ 278 milhões, em função da diminuição de geração térmica.

Como surgiu?

No Brasil, o primeiro horário de verão foi realizado entre 1931 e 1932, pelo presidente Getúlio Vargas, com duração de 5 meses. A prática vem sendo adotada sem interrupções desde 1985, com algumas diferenças nos estados que aderem à mudança e os períodos de duração.

Em 2008, o decreto 6.558 definiu as datas para a mudança de horário e fixou a duração da medida em quatro meses. Assim, ficou estabelecido que o horário de verão começa no terceiro domingo de outubro e termina no terceiro domingo de fevereiro. A única exceção ocorre quando o terceiro domingo de fevereiro coincidir com o domingo de Carnaval. Nesse caso, o horário de verão termina no quarto domingo de fevereiro.

A ideia de adiantar a hora oficial em períodos de ver]ao foi lançada em 1784 por Benjamim Franklin, político e inventor americano. O primeiro país a adotar oficialmente o horário de verão foi a Alemanha, em 1916, durante a Primeira Guerra Mundial, para economizar os gastos com carvão.

Fonte: http://sites.uai.com.br/

Assembleia adventista vai nomear líderes mundiais em julho

Assembleia ocorrida em 2010 foi na cidade de Atlanta, nos Estados Unidos, e em alguns cultos chegou a reunir mais de 60 mil pessoas

Brasília, DF … [ASN] A 60a sessão da Conferência Geral da Igreja Adventista, marcada para o início de julho desse ano, será uma grande celebração mundial da organização com os quase 18 milhões de membros no mundo. Em 2015, o local das reuniões e cultos será a cidade de San Antonio, Texas, nos Estados Unidos. Será o momento para diferentes debates com objetivo de definir aspectos administrativos, apresentar de relatórios das atividades dos últimos cinco anos das 13 divisões e dois territórios (União do Oriente Médio e Norte da África e o campo de Israel que estão ligados diretamente à sede mundial adventista e não a uma divisão) que compõem a Associação Geral da Igreja, entre outras atividades. Mas será momento, também, da nomeação da liderança mundial adventista. O encontro ocorre a cada cinco anos.

O pastor Magdiel Perez, secretário executivo da sede sul-americana adventista (Divisão Sul-Americana), informa que quem escolhe os líderes mundiais e os sul-americanos (no caso local) são os delegados oficialmente votados. A Divisão Sul-Americana, com pouco mais de 2 milhões e 200 mil membros, terá esse ano 259 delegados divididos da seguinte forma: 25% deles são membros leigos, ou seja, que não são pastores e nem obreiros assalariados, 25% são administradores (presidentes, tesoureiros e secretários) das associações e missões adventistas (conhecidas como campos) e o restante (50%) são pastores distritais, professores e administradores de uniões, instituições ligadas à Divisão e da própria Divisão. Juntamente com os delegados das outras divisões, eles devem somar em torno de 2.600 pessoas com direito a voto na aprovação ou rejeição de planos quinquenais da Igreja, alterações no Manual da Igreja, entre outras atividades estratégicas.

Nomeações

Desses mais de 2 mil delegados do mundo, aproximadamente 200 formarão a chamada Comissão de Nomeações (em que não entram os detentores dos cargos elegíveis) que efetivamente escolherá os administradores adventistas mundiais e das divisões, inclusive a da América do Sul. Os delegados de cada uma das divisões são responsáveis por escolher o grupo de departamentais ou diretores de departamentos. Na prática, um departamental é um auxiliar direto da administração para determinadas áreas.

Perez ressalta que, a cada cinco anos são escolhidos diferentes grupos de delegados com direito a voto e a intenção é que, nesse grupo, haja uma representatividade de jovens, mulheres, idosos e pessoas de diferentes áreas de atuação e regiões.

Curiosidades

Em 1888 assembleia realizada em Mineápolis reuniu 91 delegados

Algumas curiosidades chamam a atenção quando se fala dessa assembleia mundial adventista. A primeira assembleia foi realizada em 1863 em Battle Creek, no estado norte-americano de Michigan. Até o ano de 1870 esses encontros eram anuais já que o número de membros era menor e havia essa possibilidade.

Em 1871 ocorreram duas assembleias mundiais em apenas um ano. Na história adventista, apenas três encontros ocorreram fora dos Estados Unidos: 1975 em Viena (Áustria), 1995 em Utrecht (Holanda) e 2000 em Toronto (Canadá).

A assembleia de 2020 está  marcada para a cidade norte-americana de Indianapolis.

Duas outras curiosidades são relacionadas a questões administrativas. O Manual da Igreja Adventista tem valor legal, ou seja, é aceito como norma válida inclusive em julgamentos em geral. Não é, portanto, apenas um documento de validade interna da organização. Os estatutos da Igreja não permitem qualquer alteração no Manual a não ser nessa assembleia mundial. [Equipe ASN, Felipe Lemos]

Fonte: http://noticias.adventistas.org/pt/

A Volta de Jesus e o Fim dos Tempos.

Simplesmente você vai se arrepiar ao ver esse vídeo que nos mostra que estamos no fim dos tempos e que Jesus está voltando, não deixe de ver o vídeo

Um vídeo que mostra em detalhes em que situação estamos vivendo, pois é irmãos e irmãs que estão vendo esta mensagem, abaixo você virá um vídeo que vai te arrepiar e fazer refletir em que estamos verdadeiramente no fim dos tempos e vê que Jesus está voltando.

Fonte: http://www.conhecimentosdopai.com

Posição da Igreja Adventista quanto ao aborto

abortos Os adventistas desejam lidar com a questão do aborto de formas que revelem fé em Deus como Criador e Mantenedor de toda a vida e de maneiras que reflitam a responsabilidade e a liberdade cristãs. Embora haja diferença de pensamento sobre o aborto entre os adventistas, o texto abaixo representa uma tentativa de prover orientações quanto a uma série de princípios e temas. As orientações estão fundamentadas nos amplos princípios bíblicos, apresentados para estudo no fim deste documento.

1. O ideal de Deus para os seres humanos atesta a santidade da vida humana, criada à imagem de Deus, e exige o respeito pela vida pré-natal. Contudo, as decisões sobre a vida devem ser feitas no contexto de um mundo caído. O aborto nunca é um ato de pequenas consequências morais. Assim, a vida pré-natal nunca deve ser irrefletidamente destruída. O aborto somente deveria ser praticado por motivos muito sérios.

2. O aborto é um dos trágicos dilemas da degradação humana. As atitudes condenatórias são impróprias para os que aceitaram o evangelho. Os cristãos são comissionados a se tornar uma comunidade de fé amorosa e carinhosa, auxiliando as pessoas em crise ao considerarem as alternativas.

3. De forma prática e tangível, a igreja, como uma comunidade de apoio, deve expressar seu compromisso de valorizar a vida humana. Isso deve incluir:

a. O fortalecimento do relacionamento familiar.
b. Instrução de ambos os sexos quanto aos princípios cristãos da sexualidade humana.
c. Ênfase na responsabilidade do homem e da mulher no planejamento familiar.
d. Apelo a ambos para que sejam responsáveis pelas consequências dos comportamentos incoerentes com os princípios cristãos.
e. Criação de um clima seguro para o desenvolvimento de discussões sobre as questões morais associadas ao aborto.
f. Apoio e assistência a mulheres que decidiram prosseguir com uma gravidez problemática.
g. Incentivo e ajuda para que o pai participe com responsabilidade na tarefa de cuidar de seus filhos.

A igreja deve também se comprometer a mitigar os lamentáveis fatores sociais, econômicos e psicológicos que possam levar ao aborto e a cuidar de forma redentiva dos que sofrem as consequências de decisões individuais nessa área.

4. A igreja não deve servir como consciência para os indivíduos; contudo, ela deve oferecer orientação moral. O aborto por motivo de controle natalício, escolha do sexo ou conveniência não é aprovado pela igreja. Contudo, as mulheres, às vezes, podem se deparar com circunstâncias excepcionais que apresentam graves dilemas morais ou médicos, como: ameaça significativa à vida da mulher gestante, sérios riscos à sua saúde, defeitos congênitos graves cuidadosamente diagnosticados no feto e gravidez resultante de estupro ou incesto. A decisão final quanto a interromper ou não a gravidez deve ser feita pela mulher grávida após e devido aconselhamento. Ela deve ser auxiliada em sua decisão por meio de informação precisa, princípios bíblicos e a orientação do Espírito Santo. Por outro lado, essa decisão é mais bem tomada dentro de um contexto saudável de relacionamento familiar.

5. Os cristãos reconhecem que sua primeira e principal responsabilidade é para com Deus. Buscam o equilíbrio entre o exercício da liberdade individual e sua responsabilidade para com a comunidade da fé, a sociedade como um todo e suas leis. Eles fazem sua escolha em conformidade com a Escritura e as leis de Deus em vez de com as normas da sociedade. Assim, qualquer tentativa de obrigar as mulheres, quer a manter ou a interromper a gravidez, deve ser rejeitada como violação à liberdade pessoal.

6. As instituições da igreja devem receber orientações para desenvolver suas próprias normas institucionais em harmonia com este documento. Pessoas que tenham objeções éticas ou religiosas ao aborto não deveriam ser solicitadas a participar na realização do mesmo.

7. Os membros da igreja devem ser incentivados a participar no desenvolvimento das considerações de suas responsabilidades morais com respeito ao aborto à luz do ensino das Escrituras.

Princípios para uma visão cristã da vida

Introdução

“E a vida eterna é esta: que Te conheçam a Ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste” (João 17:3). Em Cristo há a promessa da vida eterna, mas, uma vez que a vida humana é mortal, os seres humanos são confrontados com temas difíceis com relação à vida e à morte. Os seguintes princípios referem-se à pessoa como um todo (corpo, alma e espírito), um todo indivisível (Gn 1:7; 1Ts 5:23).

Vida: nossa dádiva valiosa de Deus

1. Deus é a Fonte, o Doador e o Mantenedor de toda a vida (At 17:25 e 28; Jó 33:4; Gn 1:30; 2:7; Sl 36:9; Jo 1:3, 4).

2. A vida humana tem valor único, pois os seres humanos, embora caídos, são criados à imagem de Deus (Gn 1:27; Rm 3:23; 1Jo 2:2; 3:2; Jo 1:29; 1Pe 1:18, 19).

3. Deus valoriza a vida humana não por causa das realizações ou contribuições humanas, mas porque somos criaturas de Deus e objeto de Seu amor redentor (Rm 5:6, 8; Ef 2:2-6; 1Tm 1:15; Tt 3:4, 5; Mt 5:43-48; Ef 2:4-9; Jo 1:3; 10:10).

Vida: nossa resposta ao dom de Deus

4. Valiosa como é, a vida humana não é a única e última preocupação. O sacrifício próprio em devoção a Deus e aos Seus princípios pode tomar a precedência sobre a vida (Ap 12:11; 1Co 13).

5. Deus nos chama para a proteção da vida humana, e responsabiliza a humanidade por sua destruição (Êx 20:13; Ap 21:8; Êx 23:7; Dt 24:16; Pv 6:16, 17; Jr 7:3-34; Mq 6:7; Gn 9:5, 6).

6. Deus está especialmente preocupado com a proteção do fraco, indefeso e oprimido (Sl 82:3,4; Tg 1:27; Mq 6:8; At 20:35; Pv 24:11,12; Lc 1:52-54).

7. O amor cristão (agape) é a valiosa dedicação de nossa vida para elevar a vida de outros. O amor também respeita a dignidade pessoal e não tolera a opressão de uma pessoa para apoiar o comportamento abusivo de outra (Mc 16:21; Fp 2:1-11; 1Jo 3:16; 4:8-11; Mt 22:39; Jo 18: 22, 23; 13:34).

8. A comunidade crente é chamada a demonstrar o amor cristão de maneira tangível, prática e substancial. Deus nos chama a restaurar gentilmente os quebrantados (Gl 6:1, 2; 1Jo 3:17, 18; Mt 1:23; Fp 2:1-11; Jo 8:2-11; Rm 8:1-14; Mt 7:1, 2; 12:20; Is 40:42; 62:2-4).

Vida: nosso direito e responsabilidade de decidir

9. Deus dá à humanidade a liberdade de escolha, mesmo que isso conduza ao abuso e a consequências trágicas. Sua relutância em forçar a obediência humana requereu o sacrifício de Seu Filho. Ele nos manda usar Seus dons de acordo com Sua vontade e finalmente julgará seu mau uso (Dt 30:19, 20; Gn 3; 1Pd 2:24; Rm 3:5, 6; 6:1, 2; Gl 5:13).

10. Deus convida cada um de nós individualmente a fazer decisões morais e a buscar nas Escrituras os princípios bíblicos que fundamentam tais escolhas (Jo 5:39; At 17:11; 1Pd 2:9; Rm 7:13-25).

11. Decisões sobre a vida humana, do início ao fim, devem ser tomadas no contexto de relacionamentos familiares saudáveis, com o apoio da comunidade de fé (Êx 20:12; Ef 5:6, 12). As decisões humanas devem ser sempre centralizadas na busca da vontade de Deus (Rm 12:2; Ef 6:6; Lc 22:42).

1. Aborto, conforme compreendido neste documento, é definido como qualquer ação que vise a pôr fim a uma gravidez já estabelecida. É diferente do controle de natalidade, que é a intenção de impedir a gravidez.

2. A perspectiva fundamental dessas orientações foi extraída de um extenso estudo da Escritura, conforme demonstrado nos “Princípios para uma Visão Cristã da Vida Humana”, incluídos neste documento.

(Essas orientações foram aprovadas e votadas pela Comissão Executiva da Associação Geral em 12 de outubro de 1992, durante o Concílio Anual realizado em Silver Spring, Maryland, EUA.)

Fonte: http://www.criacionismo.com.br/2012/04/osadventistas-desejam-lidar-com-questao.html